quinta-feira, junho 25, 2015

Prefeitura se prepara para 2ª fase da campanha “Justiça pela paz em casa”



O secretário de Assistência Social e Desenvolvimento Humano, José Rodrigues Rocha Júnior, e representantes do Tribunal de Justiça já deram início a reuniões para a realização da segunda fase da campanha “Justiça pela paz em casa”, que acontecerá em agosto.

A campanha foi apresentada no fim de janeiro pela vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Carmen Lúcia Antunes Rocha, e prevê a realização de ações contra a violência doméstica. Para esta segunda fase, a Secretaria de Assistência Social vai trabalhar na prevenção para fazer com que a violência não ocorra, de acordo com o secretário José Rodrigues.

Segundo o secretário, a campanha tem como o foco principal a mulher, visto que ela é considerada o eixo principal da família e, portanto, o atendimento feito a ela faz com que haja um atendimento em cadeia.

Neste sentido, a secretaria disponibilizou as 14 unidades dos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), as duas unidades dos Centros Especializado de Referência de Assistência Social (CREAS) e a Casa de Amparo da Mulher Vítima de Violência para que o Tribunal de Justiça possa utilizar os espaços em prol da campanha.

Além de oferecer os espaços, a Secretaria de Assistência Social vai atuar durante o mês de agosto para mapear as informações sobre o real número de mulheres vítimas de violência, as regiões em que o problema mais ocorre, bem como identificar o motivo da violência.

O juiz da Primeira Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, Jamilson Haddad Campos, aponta que é necessária a conscientização sobre a funcionalidade das varas de família para que as mulheres denunciem os crimes. Neste sentido, a parceria com o município é primordial para desmistificar a ideologia de que crimes contra mulher não são punidos.

Além da Prefeitura de Cuiabá, a campanha tem como parceiros o Governo do Estado de Mato Grosso, Defensoria Pública, Ministério Público, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais – BPW.

0 comentários:

Postar um comentário