segunda-feira, agosto 22, 2016

Confira os destaques de jornais de circulação nacional desta segunda-feira - 22 de agosto


O Globo
Um Rio que passou na Olimpíada
A Olimpíada do Rio chegou ao fim ontem com o sétimo ouro do Brasil, que derrotou a Itália por 3 a 0 na decisão do vôlei. Foi a melhor campanha olímpica do Brasil, com vitórias inesquecíveis e comemorações merecidas, mas o resultado da delegação no ciclo que recebeu investimento recorde ficou aquém da meta planejada pelo COB: integrar a lista de dez países com mais pódios. Pelo número total de medalhas, o país ficou na 13ª colocação, empatado com a Holanda, que ganhou um ouro a mais. Sob chuva, a cerimônia de encerramento foi uma festa da arte popular brasileira, que fez o público do Maracanã dançar ao som de “Asa Branca”, de Luiz Gonzaga. Teve também Martinho da Vila cantando “Carinhoso”, de Pixinguinha e João de Barro, e a participação de Maria Esther Bueno, a maior tenista brasileira. O mau tempo, com rajadas de ventos de até 122,8km/h, atrasou a chegada do público ao estádio e deixou cerca de 30% dos assentos vazios. Ao final, a bandeira olímpica foi entregue a Yuriko Koike, governadora de Tóquio, sede dos Jogos de 2020. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, compareceu fantasiado de Mario Bros. No fim da cerimônia, atletas, bailarinos e voluntários se confraternizaram ao som de alguns dos melhores sambas-enredo do carnaval carioca.

O Estado de São Paulo
País tem 10 milhões de trabalhadores informais
Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua compilados pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) mostram que há no Brasil 10 milhões de trabalhadores informais (sem carteira assinada). No início do ano, eram 9,7 milhões. A tendência é de que o número de trabalhadores informais continue crescendo ao longo dos próximos meses, sobretudo porque o mercado de trabalho não deverá esboçar uma reação este ano. Para o Ibre, a taxa de desemprego deverá encerrar o ano em 12,3% – atualmente a desocupação está em 11,3%. No País, 10,3 milhões dos ocupados recebem até meio salário mínimo, o que equivale a uma remuneração mensal de apenas R$ 440. Essa parcela, que no primeiro trimestre representava 10,9% da população economicamente ativa, em 2015 estava em 7,9%.

Prefeitos e vices viram adversários em 14 capitais
Candidatos que se elegeram juntos em 2012 disputam as próximas eleições municipais, em outubro, em chapas diferentes ou apoiam adversários em mais da metade das capitais brasileiras. Na região Nordeste, prefeito e vice se enfrentam em seis de nove capitais. No Norte, a aliança foi desfeita em quatro das sete capitais.

Correio Braziliense
Em ritmo de Carnaval e manifestações culturais brasileiras, cerimônia encerra Jogos Olímpicos
Como diz a música de Tom Jobim, “tristeza não tem fim, felicidade sim”. A contagem regressiva em homenagem a Santos Dumont anunciava neste domingo (21/8) que era hora de o maior evento esportivo do mundo decolar de um dos dois aeroportos da Cidade Maravilhosa para uma viagem de quatro anos rumo ao Japão, em Tóquio-2020. Depois de receber em sequência, num intervalo de dois anos, uma Copa e a 31ª edição dos Jogos Olímpicos — como os Estados Unidos no Mundial de 1994 e Atlanta-1996 — o Brasil recorreu mais uma vez à música para se despedir das 207 nações que competiram durante 19 dias, a contar da estreia do futebol feminino, no último dia 3. E matar o país de saudade — um conceito que só existe na língua portuguesa.
Martinho da Vila interpretou “Carinhoso”, de Pixinguinha e João de Barro, anunciando um carnaval fora de época no Maracanã. Não adiantou cantar “mas mesmo assim foges de mim” para a Rio-2016. A dispersão dos Jogos tinha de continuar na improvisada Marquês de Sapucaí com direito a Roberta Sá interpretando Carmem Miranda, samba, frevo e muita música regional produzidos pela carnavalesca Rosa Magalhães, hexacampeão do carnaval carioca. Estrelas do show, os atletas pisaram na arena ovacionados pelo público.

O Dia
Mandado de segurança contra medida que revoga aposentadorias
A convocação à volta ao trabalho de médicos federais e demais servidores da Saúde que conseguiram aposentadoria especial entre 2010 e 2013 tem levado a uma enxurrada de ações na Justiça. Apesar de já terem se aposentado, eles estão sendo obrigados pela União a retornar aos hospitais e órgãos de origem. Isso porque o governo federal decidiu revogar medida que garantia a conversão do tempo de serviço em atividades especiais (em situações de insalubridade e periculosidade) e força os profissionais a retornar à ativa. 

Diário de Pernambuco
Contagem regressiva para o impeachment
Na campanha de 2010, a ex-ministra da Casa Civil Dilma Rousseff (PT) passou para a história como a primeira mulher eleita presidente do Brasil. Foi reeleita em 2014. Mas, no pleno exercício do segundo mandato, a petista corre o risco de entrar novamente para história, mas de uma maneira bem diferente. Na próxima quinta-feira, o Senado começa a julgar o impeachment de Dilma, que está afastada do cargo desde o dia 12 de maio, quando os senadores aprovaram a abertura do processo na Casa. No Senado, onde os aliados da presidente afastada acreditavam que o quadro poderia ser revertido a favor dela, o número de parlamentares em favor do impeachment aumentou. Na votação que aprovou a abertura do processo foram 55 votos contra 22. Já na sessão que ratificou o relatório que recomenda o afastamento da petista foram 59 votos contra 21. No cronograma definido pelos presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, e do Senado, Renan Calheiros (PMDB/AL), o depoimento de Dilma Rousseff está marcado para dia o 29. Em entrevista, a presidente afastada afirmou que os senadores irão ouvir a manifestação de uma presidente que será julgada em um processo de impeachament sem ter cometido crime de responsabilidade. A petista terá direito a falar por 30 minutos antes de ser interrogada.

Gazeta da Bahia
Senado dá início nesta semana ao julgamento do impeachment de Dilma
Quase nove meses depois de o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) autorizar a abertura do processo de impeachment, o Senado inicia nesta quinta-feira (25) o julgamento final da presidente afastada Dilma Rousseff. A primeira etapa do julgamento será o depoimento das testemunhas escolhidas pelos autores da denúncia, os juristas Miguel Reale Júnior, Janaína Paschoal e Hélio Bicudo, e pela defesa de Dilma, capitaneada pelo ex-ministro José Eduardo Cardozo. Ao todo, são oito testemunhas. Duas foram arroladas pela acusação: o procurador Júlio Marcello de Oliveira, representante do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), e o auditor de fiscalização do TCU Antônio Carlos Costa D’ávila.

0 comentários:

Postar um comentário