terça-feira, setembro 06, 2016

Campanha de vacas magras; até agora as doações para candidatos a prefeito de Cuiabá chegaram a R$ 1.181.242,00


Quem se habituou a realizar campanhas políticas com grandes quantias de dinheiro para “torrar” durante o período de convencimento dos eleitores, está de orelhas em pé: a grana está curtíssima! Até o número de cabos eleitorais nas ruas estão “minguados”.

E olha que estamos com o dia das eleições (prefeito e vereador), em primeiro turno, batendo às nossas portas. Para o 02 de outubro, partir de hoje (terça-feira 06-09-16), faltam apenas 26 dias para decidirmos, nas urnas, quem será o futuro gestor de nossa cidade.

Até os eternos candidatos, aqueles que entram campanhas e sai campanhas estão nas ruas distribuindo os tais “santinhos” – muitos buscando assegurar uma graninha, estão reclamando que nesta não será possível guardar nada.

Este é um reflexo positivo das medidas tomadas para reduzir as compras de votos costumeiras em nossa política. Então, bem vindos à primeira disputa eleitoral após a proibição de doações de empresas a partidos e candidatos.

Com esta condição posta pela nova legislação eleitoral, a prova de que o mar não está para peixe, é a arrecadação financeira dos candidatos a prefeito de Cuiabá que ainda é diminuta. O montante declarado, até agora, pelos seis candidatos é de R$ 1.181.242,00.

Emanuel Pinheiro (PMDB) R$ 485.600,00
Wilson Santos (PSDB) R$ 150 mil
Serys Slhessarenko (PRB) R$ 290 mil 
Julier da Silva (PDT) R$ 200 mil.
Mauro César Lara de Barros (PSOL) R$ 55.642.
Renato Santtana (Rede) R$ 18,00 (Dezoito Reais).

A chamada “Reforma Eleitoral” de 2015 (Lei nº 13.165) provocou várias mudanças, e uma das principais alterações diz respeito à arrecadação e aos gastos dos recursos por partidos políticos e candidatos. Antes, grandes empresas costumavam aparecer entre os principais doares de campanha na declaração de receitas. A partir destas eleições, somente pessoas físicas podem contribuir. As doações podem ser feitas na forma de depósitos em espécie, devidamente identificados, até o limite máximo de R$ 1.064 e não podem ultrapassar o teto de 10% dos rendimentos brutos do doador no ano anterior à eleição. Acima desse valor, só é permitida a doação por transferência bancária, que é identificada pelo Cadastro de Pessoa Física (CPF). A campanha, que começou no dia 16 de agosto, foi reduzida à metade do tempo vigente até 2012.


Outra mudança significativa, no ultimo pleito eleitoral os candidatos dispunham de 90 dias para conquistar o voto do eleitor. Este ano, o tempo foi reduzido para 45 dias.

Solimar Siqueira

0 comentários:

Postar um comentário