domingo, maio 07, 2017

Candidíase é comum no verão; saiba como prevenir a doença.



Especialistas afirmam: a maioria das mulheres, cerca de 75%, terá candidíase uma vez na vida. E as chances de esse episódio acontecer no verão são grandes. "O fungo que provoca essa doença precisa de um ambiente escuro e quente para proliferar. Quando não encontra essas condições, pode existir em pouca quantidade, sem causar problemas. Em contrapartida, nas situações de muito calor, transpiração excessiva e dificuldade de arejar a pele, ele encontra um ambiente ideal para multiplicação", explica Karina Zulli, ginecologista e obstetra do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo.
O fungo causador da candidíase mais comum na mulher adulta é o Candida albicans. Ele vive normalmente no intestino, mas pode aparecer no estômago, bexiga e vagina. Quando algo muda nesses ambientes e favorece a multiplicação dele, acontece a infecção.
O sintoma clássico é a coceira na região genital. "A pessoa coça, machuca a pele e sente dor ao urinar", diz Lana Aguiar, ginecologista do Hospital das Clínicas em São Paulo. "O ideal é que a pessoa procure um médico assim que sentir a coceira", recomenda.
Porém, se não tiver acesso a um profissional de saúde imediatamente, é possível aliviar o desconforto com um banho de chá de camomila no local, três vezes ao dia. "São três saquinhos desse chá vendido em supermercado em um litro de água. Deixe esfriar e jogue ali  - é um anti-inflamatório e antisséptico", diz Lana.
Além de coçar, o local pode ficar inflamado, e a mulher vai perceber na calcinha um corrimento. "Normalmente, ele é branco ou amarelado, mas em alguns casos pode ser até esverdeado, sempre com a consistência de 'leite coalhado'", explica Alessandra Bedin, ginecologista do Hospital Albert Einstein, na capital paulista.
O tratamento é feito com antifúngico oral e pomadas. Nos casos mais leves, o incômodo causado pela doença desaparece em três dias. Mas só um ginecologista pode fazer um diagnóstico preciso. "A ardência, por exemplo, também é um sintoma de herpes. E as coceiras podem ser causadas por alergias", alerta Lana Aguiar.
Se a doença fica indo e voltando, pode ser um sinal de problemas mais sérios, como anemia e diabetes. "Nesse caso, a candidíase é apenas um sintoma inicial", alerta Alessandra Bedin.
Saiba um pouco sobre Candidíase: é um dos mais irritantes corrimentos. Provoca corrimento espesso e grumoso tipo “nata de leite” e geralmente é acompanhado de coceira ou irritação intensa. Cândida ou Monília é um fungo, e a candidíase é, portanto, uma micose.

A Candidíase aparece quando a resistência do organismo cai ou quando a resistência vaginal está diminuída. 

Alguns fatores são facilitadores dessa micose:
  • Antibióticos;
  • Gravidez;
  • Diabetes;
  • Outras infecções (por exemplo, Aids);
  • Deficiência imunológica;
  • Medicamentos como anticoncepcionais e corticóides;
Eventualmente no parceiro sexual aparece pequenas manchas vermelhas no pênis, mas a candidíase NÃO é considerada, por alguns especialistas, uma doença sexualmente transmissível, pois pode ocorrer mesmo sem o contato íntimo ou relação sexual, uma vez que esse fungo pode ser encontrado no ser humano.
Diagnóstico
O diagnóstico é clínico, por meio de exames de laboratório e o papanicolau.
Tratamento
O tratamento é a base de antimicóticos, mas deve-se tentar evitar tratar as causas da Candidíase para evitar as recidivas.
Fique atenta
É muito importante não confundir o corrimento por cândida com o corrimento por excesso de Bacilos de Doderlein, pois, nesse caso, o tratamento é diferente.
Cuidados
  • Faça uma perfeita higienização durante o banho.
  • Prefira sabonete, absorvente e papel higiênico neutros.
  • Não use toalhas e roupas de outras pessoas.
  • A higiene pessoal deve ser feita da vulva para o orifício retal, nunca ao contrário.
  • Prefira calcinhas de algodão.
  • Lave as roupas íntimas com água fervente e sabão.
  • Evite meias e roupas íntimas de nylon e calças apertadas.
  • Passe as roupas íntimas com ferro quente.
Fontes:  Karina Zulli e Lana Aguiar

0 comentários:

Postar um comentário