quinta-feira, agosto 10, 2017

Remédios e equipamentos mais baratos levam Cuiabá e Várzea Grande a aderirem a proposta do Ministério Público


Os prefeitos de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, e a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos, assinaram o protocolo para a criação do Consórcio Intermunicipal de Saúde, nesta quinta-feira (10-08-17). A união das duas maiores cidades de Mato Grosso vem para somar aos demais 76 municípios que já se comprometeram com a parceria, que visa desburocratizar, padronizar e melhorar a compra de medicamentos, insumos e serviços vinculados à área. O processo, arregimentado pelo Ministério Público do Estado, é fruto de uma articulação entre vários poderes constituídos.

A proposta do procurador geral de Justiça, Mauro Curvo que se baseia em experiências concretas como a do Estado do Paraná, poderá representar uma redução entre 30% até 50% no custo dos medicamentos adquiridos pelo Consórcio além da redução dos valores dos equipamentos destinados a saúde pública, sendo que nestes casos a variação é conforme o aparelho ou equipamento a ser adquirido.

Cuiabá e Várzea Grande movimentam uma média R$ 65 milhões ano apenas em medicamentos.

Além dos prefeitos e do procurador chefe do Ministério Público, Mauro Curvo, participaram da solenidade os presidentes da Assembleia Legislativa, José Eduardo Botelho, do Tribunal de Contas de Mato Grosso, Antônio Joaquim e da Associação Mato-grossense dos Municípios – AMM, Neurilan Fraga

A expectativa para a consolidação do Consórcio Intermunicipal de Saúde deve ser efetivada até o fim deste ano, conforme pontuou o procurador-geral de Justiça do Estado, Mauro Curvo.

O procurador geral de Justiça, Mauro Curvo sinalizou que é possível promover a aquisição de remédios e equipamentos a preços mais acessíveis e em conjunto, sem contar que o fato das aquisições se darem diretamente junto aos laboratórios será feito inclusive prevendo a questão da logística, pois existem cidades com mais de 1 mil quilômetros da capital o que acaba por onerar o preço final dos medicamentos a serem entregues.

Para o prefeito Emanuel Pinheiro, o compromisso firmado entre os municípios é o primeiro grande passo para a solução de uma das demandas mais latentes na Capital.
“Nada tem mais me angustiado que o atual estado da saúde pública de Cuiabá. Investimos recursos de forma direcionada nas nossas unidades de atendimento e ainda assim continuamos enfrentando problemas graves. Com a consolidação deste Consórcio, os gestores das cidades compromissadas poderão se concentrar em solucionar as falhas de gestão que temos na saúde, como desvios de conduta e de recursos, desperdícios, entre outros”, afirmou.
Para a prefeita Lucimar Sacre de Campos, apesar de ser uma ação embrionária, a proposta do chefe do Ministério Público de Mato Grosso tem ampla chance de nortear a questão da aquisição de medicamentos e de equipamentos para os investimentos em área de saúde pública.


“Gastamos uma média de R$ 20 milhões/ano com medicamentos. Se economizarmos entre R$ 6 até R$ 8 milhões ou mesmo mais, estes recursos serão mantidos para comprarmos mais remédios, mais equipamentos que atendam a demanda que sempre tem se demonstrado reprimida”, disse Lucimar Sacre de Campos.

 

0 comentários:

Postar um comentário