quarta-feira, agosto 02, 2017

Vereador Abilio entrega relatório de saúde à Câmara e autoridades


Um relatório de 20 páginas em que o vereador Abilio Junior (PSC) aponta a má qualidade do atendimento como a maior problemática no Sistema de Saúde Pública de Cuiabá e sugere melhorias como, a padronização de gestão e atendimento, hora estendida de funcionamento das unidades de saúde e maior transparência e publicidade dos atos das unidades que compõem a rede pública de saúde municipal, dentre outras, foi entregue nessa terça-feira (01-08), durante a primeira sessão após o recesso parlamentar.

Conforme o vereador, o relatório foi concluso depois de 16 visitas feitas ao longo do primeiro semestre, nas unidades de saúde do Pronto Atendimento (UPA) do bairro Morada do Ouro nas Policlínicas do Verdão e Coxipó no Hospital e Pronto Socorro de Cuiabá (HPSMC) e no Centro de Saúde do bairro São Gonçalo. 

O relatório, que também será encaminhado à Prefeitura de Cuiabá, bem como a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Ministério Público, Tribunal de Contas e demais entidades interessadas no assunto, aponta que os horários de maior demanda nessas unidades, geralmente são entre 06h30 às 08h30 e 18h às 21h.

“Justamente em horários de troca de turno, nos quais as equipes médica e de enfermagem atrasam cerca de uma hora para retomar o atendimento, tendo como justificativa a necessidade de atualizar informações sobre o funcionamento das unidades, além de atrasos ocasionais por razões de trânsito ou por acúmulo de empregos, bastante comum aos profissionais de saúde, para complementar a renda”, enfatiza Abilio.

Outra questão levantada pelo vereador e descrita no relatório é quanto ao horário de atendimento das unidades básicas de saúde, que, segundo o parlamentar, inviabiliza o acesso a muitos trabalhadores. “O horário que o PSF ou Postinho está aberto, geralmente, coincide com o horário que os pais e mães, trabalhadores em geral, estão nos seus respectivos empregos. O que impede de eles receberem o atendimento médico. Por isso nossa sugestão de estender o horário de funcionamento dessas unidades”, explicou Abilio.

Conforme o parlamentar, a ideia de entregar o relatório às autoridades competentes surgiu com o propósito de contribuir para com a melhoria do atendimento disposto aos cidadãos nas unidades de saúde de Cuiabá.

“O SUS não é de graça. Todos nós, contribuintes, pagamos para termos esse tipo de serviço. Por isso devemos fiscalizar e buscar maneiras de melhorar o atendimento que é oferecido nessa rede. Não é justo, o cidadão que já está sofrendo por algum tipo de enfermidade, ter que sofrer ainda mais com o tratamento, muitas vezes, desumano”, disse o  veareador.

Em duas visitas feitas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Morada do Ouro, por exemplo, o parlamentar chegou a acionar a Polícia Militar para registrar boletim de ocorrência sobre a falta de médicos plantonistas no local.

Outro fato que gerou bastante indignação ao vereador, ocorreu na Policlínica do bairro Verdão, em que havia um comunicado informando que no local não tinha atendimento para casos que não fossem classificados de risco ou graves, ou seja, que o atendimento seria ofertado apenas para os pacientes classificados como fichas amarelas e vermelhas, que representa bem menos da metade do atendimento médio diário, de acordo dados encaminhados pela Secretaria de Saúde ao vereador.  

Conforme essas estatísticas, em 2016, por exemplo, na Policlínica do Planalto foram registrados 76.382 atendimentos. Desse total, 50 mil eram de pacientes avaliados como ‘verde’, representando assim mais de 65% dos casos atendidos em um ano na unidade. Na Policlínica do Coxipó, esse mesmo tipo de atendimento representou 61% dos mais de 50 mil feitos ao longo do ano passado.

“Então, uma unidade não pode deixar de atender esse tipo de paciente que representa mais da metade dos casos atendidos realizados pelas unidades de saúde. Todos têm que receber atendimento, independente da classificação em todas as unidades”, concluiu Abilio.

Dana Campos

Assessoria de Imprensa

 

0 comentários:

Postar um comentário