quarta-feira, setembro 27, 2017

Emprego no Centro-Oeste se recupera bem; Mato Grosso está na dianteira


Apesar de o emprego dar os primeiros sinais de reação, o mercado de trabalho não se recupera da mesma forma em todo o País. Enquanto na região Centro-Oeste o total de pessoas em atividade já recuperou os níveis pré-crise, no Nordeste, essa trajetória vai na contramão: a queda da população ocupada só se aprofundou entre o primeiro trimestre de 2015 e os três meses encerrados em junho deste ano.
Nesse período, o número de pessoas com trabalho no Brasil caiu 2,4 milhões, segundo cálculos da consultoria A.C. Pastore e Associados, a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad-Contínua).
No Sudeste, a queda na indústria e na construção civil ainda impedem uma recuperação mais robusta no número de brasileiros ocupados. Sem depender demais de um setor específico, a região Sul, por sua vez, é a que já está mais próxima da retomada. Já o mercado de trabalho da região Norte, apesar de ter registrado queda no número de ocupados na indústria e também ser dependente de investimentos, tem números melhores que os dos Nordeste - uma queda amortecida, em partes, por resultados positivos na indústria extrativa.
A região que mais chama a atenção positivamente, no entanto, é o Centro-Oeste. A população ocupada no segundo trimestre superou em 17,1 mil a do primeiro trimestre de 2015, quando o País começou a ter redução no número de ocupados. A supersafra gerou um movimento em cadeia na região, que aumentou as contratações não só na agropecuária, mas também no setor de serviços. Lá, esse foi o segmento que puxou o número de ocupados para cima nos últimos três meses, com 149 mil a mais trabalhando desde 2015.
Mato Grosso está atraindo mão de obra até de outros Estados. Para se ter uma ideia, Mato Grosso fechou o mês de junho em segundo lugar no ranking dos estados que mais geraram emprego com carteira assinada, o saldo positivo foi de 5.779 empregos com carteira assinada. Em julho o estado ficou em segundo lugar na geração de emprego, perdendo apenas para São Paulo. Mato Grosso, com a criação de 8 mil postos foi seguido por Goiás, com 4,7 mil novas vagas.

Ao mesmo tempo, o Nordeste ainda amarga a maior perda de pessoas ocupadas e é a única região sem ter dois trimestres seguidos de queda no desemprego. Entre 2015 e junho, a queda da população ocupada nos Estados nordestinos foi de 1,9 milhão - reflexo da crise da indústria e da escassez de investimentos.
 

0 comentários:

Postar um comentário