quarta-feira, outubro 25, 2017

O que pode estar por trás de uma simples dor de cabeça *Roger Rotta


Muitas pessoas ao longo da vida passam por períodos de dor de cabeça, que podem estar relacionada a vários fatores. Mas, quando se torna insistente e vem acompanhada de vômitos e convulsões, perda da força ou alteração do caminhar; alterações visuais ou da fala; dificuldades de raciocínio ou atenção; alterações da personalidade, como apatia ou embotamento social, vale apena procurar um neurocirurgião para investigar as causas e para evitar sustos maiores, como por exemplo um tipo de câncer cerebral, o glioblastoma multiforme.

Esse tipo de tumor é muito agressivo, visto que apresenta crescimento muito rápido, é classificado pela OMS 2016 como um glioma grau IV, pois tem um alto índice de proliferação celular, neovascularização, atipias moleculares e genéticas e presença de necrose com grande capacidade de crescimento e infiltração do tecido cerebral, causando os sintomas.

Em geral acometem indivíduos acima dos 45 anos e o tratamento gold standard é a máxima ressecção do tumor, seguido de radioterapia e quimioterapia. Mesmo com tratamento ideal, devido a sua agressividade e rapidez de crescimento, a sobrevida pode chegar a 20 meses. Sempre deve-se priorizar a qualidade de vida do paciente. Não importa quanto tempo será a sobrevida, mas que tenha condições de viver bem, podendo retornar a sua vida normal o mais rápido possível. O tratamento é complexo, e sempre há recidiva, o que torna difícil as chances de cura. Mesmo assim, o tratamento busca o aumento da sobrevida desses pacientes com a família, convívio que ajuda e muito na qualidade de vida desse ente querido.

Participo com alguns colegas neurocirurgiões de Alfenas, Belo Horizonte, João Pessoa e Chapeco, do grupo de diretrizes em neuro-oncologia da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN), que tem a finalidade de criar protocolos de neuro-oncologia. Atualmente estamos fazendo levantamento estatísticos na literatura médica mundial para tratamento de Glioblastoma em idosos acima dos 60 anos. Assim os pacientes em tratamento serão tratados de uma maneira padronizada. 

Dr. Roger Rotta é Neurocirurgião Oncologico, Membro titular da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.

0 comentários:

Postar um comentário