sábado, outubro 14, 2017

Parece só tristeza; veja os sintomas da depressão


Por dentro é só cansaço. Tédio, apatia, falta de qualquer vontade, exceto a de desaparecer como uma luz que se apaga. O ato mais corriqueiro, como sair da cama, requer um esforço inimaginável. Por fora, incompreensão. Aquilo que o outro não sente é nomeado preguiça, frescura, ou até ‘falta de Deus’. São os dois lados de uma doença insidiosa e debilitante, difícil de diagnosticar, de tratar, e de conquistar a compreensão de quem não a enfrenta: a depressão.
Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 11,5 milhões de brasileiros, o equivalente a 5,8% da população, sofrem de depressão. Os sintomas são parecidos com os de um dia ruim. Tristeza, angústia, insônia, sono em excesso, mudanças de humor, distúrbios de apetite, dificuldades de concentração e sentimentos de culpa, tédio e apatia. Quem nunca passou por isso? O problema é quando os sintomas se prolongam e se associam a sintomas mais graves, como isolamento, alucinações, tendências à automutilação e até impulso de tirar a própria vida.
O aparecimento da síndrome depende de fatores sociais, psicológicos e biológicos, incluindo a predisposição genética. Pessoas que passaram por traumas psicológicos, como o luto, têm maior probabilidade de desenvolver a doença.
De acordo com o psiquiatra e psicanalista Sérgio Almeida, da Sociedade Brasileira de Psicanálise e da Santa Casa de Misericórdia do Rio, é importante que as pessoas próximas ofereçam apoio e não evitem contato com quem sofre do mau. "Frequentemente, alguns tendem a ver a pessoa como inerte, preguiçosa, indolente", explica. 
Sem distinção de sexo ou idade
Outras doenças e uso prolongado de certos medicamentos também podem desencadear um quadro depressivo. A doença não faz distinção de sexo ou faixa etária. De acordo com a OMS, 8% das crianças entre 6 e 12 anos sofrem de depressão. O mais comum é ser decorrente de formas de autismo, distúrbios alimentares e reações a situações de estresse.
Os tratamentos psicoterápico e psiquiátrico são fundamentais para a recuperação. Universidades, hospitais públicos e clínicas sociais costumam oferecer as consultas a preços acessíveis.
O delicado tema da depressão e do suicídio entre adolescentes ganhou exposição por causa da série ‘13 Reasons Why’ (‘Os 13 porquês’, em tradução livre), que relata a trajetória de uma jovem que tira a própria vida após uma série de eventos traumáticos. O sinistro jogo da ‘Baleia Azul’ acendeu o alerta vermelho por incentivar adolescentes tirarem a própria vida seguindo ordens de anônimos na Internet.
O suicídio pode ser provocado por um dos sintomas mais comuns da depressão, a anedonia, que é a incapacidade de sentir prazer e alegria. Aos poucos, o indivíduo pode perder o interesse e apego pelas coisas das quais gostava, as pessoas queridas e, eventualmente, pela própria vida. O mau do espírito pode ter consequências diretas no corpo. Durante o quadro depressivo são liberados os hormônios do estresse, como o cortisol, na corrente sanguínea, o que enfraquece o sistema imunológico. O depressivo pode apresentar sintomas físicos, como fadiga, dores de cabeça e no corpo, problemas digestivo e alterações de peso. Na esfera mental, pode levar até mesmo a alucinações.
Severa, insidiosa, devastadora. A depressão pode ser muitas, mas não é invencível. Conhecer os sintomas e estar atento é importante para se proteger e estar apto a estender a mão a quem precise de ajuda, mesmo que não saiba disso.
ODia 
Reportagem da estagiária Nadedja Calado, com supervisão de Marlos Mendes

0 comentários:

Postar um comentário