quarta-feira, outubro 04, 2017

Presidente do BNDES diz que juros no Brasil são 'pornografia econômica'


Em seminário na Câmara Árabe-Brasileira nesta quarta-feira (04-10-17), o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, criticou duramente os juros altos no Brasil, que classificou de "pornografia econômica", e o grupo de economistas que apoiam a redução do tamanho do banco de fomento.
Segundo Rabello de Castro, a participação do BNDES na economia realmente tem caído, mas "a única coisa que não cai é o juro real".
"Só o juro nominal cai. A TJLP [taxa de juros de longo prazo que hoje baliza os financiamentos do BNDES] se esqueceu de cair. Continua rígida nos 7%", disse.
O economista afirmou que os juros altos significam "a instalação da pornografia econômica no Brasil".
"Queremos mais moralidade no Brasil? Comecemos pelos juros", disse. "Às vezes a imoralidade veste terno e gravata". No Brasil, afirmou, o passado é incerto e, "dependendo da última delação", se muda o passado.
Em discurso inflamado, Rabello de Castro disse que "país de juro alto não tem direito a futuro". Nesse cenário, disse ele, há um grande incentivo a um eterno "presente". "E presente é carnaval. É um grande fevereiro o Brasil do juro alto", afirmou.

Folhapress 
 

0 comentários:

Postar um comentário