quinta-feira, outubro 19, 2017

Ser Feliz - Você tem coragem ou desculpa? *Cynthia Lemos


No meu caminhar muitas vezes estive diante de altos e baixos.

Diante de uma espera de algo externo para preencher meu vazio interno, o buraco enorme que habitava dentro de mim. Muitas vezes tentei supri-lo com dinheiro, comida, conhecimento técnico, roupas de marca, relacionamentos. Mas me frustrei, briguei, perdi, chorei.

Até que um dia parei de procurar fora de mim. Não me lembro exatamente o momento, dia ou situação... Um dia no curso de psicologia, resolvi iniciar a jornada do autoconhecimento, através da análise (processo terapêutico com psicanalista).

Ali iniciava um entendimento, com certeza o maior que eu podia ter na vida! A compreensão sobre a importância de assumir responsabilidades.

Saber que ser feliz era um processo, uma jornada interna, e somente isso me faria entender, que era minha e unicamente minha, a responsabilidade de ser feliz.

Que não tinha como vir de outro lugar, senão de dentro de mim a conexão com algo maior, com o preenchimento, a paz, a mansidão e leveza que eu tanto procurava fora. Estava dentro, a cada descoberta, a cada sofrimento de quando “caiam as fichas”... Quantas vezes chorei, sequei, esvaziei por dentro, fiquei oca, e precisava, para me preencher de algo de valor, de SER.

Esse artigo tem como objetivo conversar com você, que ainda acredita que a receita para ser feliz está na busca externa.

Nesse caminhar do autoconhecimento, uma das maiores habilidades que considero ter adquirido, está na perspicácia em observar, primeiro a mim mesmo, minhas atitudes e consequentemente, observar o meio.

Observei, por exemplo, casais, que decidiram ter um filho, acreditando que este poderia renovar e salvar o casamento. Em outros casos, nem precisamos ir tão longe, podemos pensar  na própria cerimônia de casamento, que às vezes é idealizada pelo casal ou um deles como se fosse a garantia de amor incondicional e eterno,  sem muitas vezes compreenderem que na verdade o amor é um processo de dentro para fora, e começa inicialmente através do amor próprio, de estar seguro e preenchido consigo mesmo.

Outro exemplo é o que acontece no movimento incessante, incansável de ser feliz de fora para dentro, como a procura pelo tão sonhado prêmio acumulado da loteria, demonstrado pela numerosa fila da lotérica, que dá voltas na quadra.

Soluções mágicas e fáceis.

Soluções sem comprometimento, sem sacrifício: À espera de um milagre.

Temos dificuldade de lidar com a complexidade envolvida naturalmente no processo de conquistar algo, sim é um processo, e como todo processo requer tempo, comprometimento e dedicação.

O que você precisa é tomar consciência de que a sua mente é como um grande computador, e você é o comandante/líder dele, e como tal para ser utilizado em sua plenitude e funções, você precisa assumir a liderança de si mesmo, e não ser mais o empregado do seu corpo e das necessidades imediatas, pois o seu corpo é como a carcaça do computador de última geração, que sem um sábio operador incapaz de explorar todo seu potencial, continuará a achar que ainda falta algo, um acessório, uma atualização de software, mais uma faculdade, mais um companheiro (a), mais uma promoção de cargo, ou outras tantas infinitas buscas externas, como as que citamos aqui, sendo que tudo que você precisa já está disponível, já está a seu alcance, você só precisa estar aberto, ou seja, disposto a assumir o comando, você precisa decidir operar e ter a coragem de assumir responsabilidades.

Não existe outro caminho, se você quiser ser feliz; você terá que iniciar a jornada do autoconhecimento com todas as suas consequências! Ah e essa jornada não tem nada a ver com os contos de fada do "felizes para sempre", mas para compreender isso, só estando nela!

Eu lhe desafio!


Você tem coragem ou tem desculpa?

*Cynthia Lemos é Psicóloga Empresarial e Coach na Grandy Desenvolvimento Humano. Email: cynthia@grandy.com.br 
 

0 comentários:

Postar um comentário