sábado, novembro 04, 2017

Traumatismo dentário: primeiros socorros são essenciais, aponta CRO-MT



Acidentes envolvendo a boca e os dentes das crianças são comuns no dia-a-dia. Tanto que, após a cárie, o traumatismo dentário já se tornou o segundo maior problema bucal nesta faixa etária. Na maioria das vezes, o traumatismo atinge os dentes superiores da frente – e, com isso, acaba abalando o físico e o emocional de sua vítima.   
  
Para evitar o pânico e alertar sobre os primeiros socorros, o Conselho Regional de Odontologia de Mato Grosso (CRO-MT) dá dicas para que este momento seja menos traumático para pais, professores e, principalmente, crianças. 
  
Assim como o próprio nome sugere, os traumatismos dentários são lesões traumáticas que envolvem os dentes, o osso que os sustentam, os tecidos gengivais e/ou os tecidos moles – como lábios, língua e bochechas. Isto, após uma queda ou batida com a boca. Tais lesões podem resultar desde uma simples fratura do esmalte dentário até a perda definitiva de um dente inteiro com sua raiz.   
  
Esportes de impacto como artes marciais, futebol, basquete, entre outros, os mantêm ainda mais nessa zona de risco. Nesses casos, o uso de protetores bucais seria o ideal. Ao andar de bicicleta, skate, patins ou patinete, recomenda-se que a criança sempre use o equipamento de segurança. 
  
Assim como, acidentes domésticos também acontecem com mais frequência nos primeiros anos de vida – quando a coordenação motora da criança ainda está em formação e é difícil monitorá-los o tempo todo.
  
Para evitá-los, nesse período, dentro de casa, é importante estar atento às quinas dos móveis, uso de meias com solado antiderrapante, pisos não escorregadios, cadarços amarrados, escadas, grades nas camas e uma constante supervisão. 
  
DICAS – Como todo e qualquer acidente, é essencial procurar um cirurgião-dentista o mais rápido possível. Aliás, para que as providências sejam tomadas imediatamente, recomenda-se ter o telefone do profissional e do hospital na porta da geladeira para que o tempo seja reduzido até o atendimento. Muitas vezes, na hora do nervosismo as coisas “somem”. Mantenha os contatos sempre à vista. 
  
Se o dente quebrar pela metade, é importante guardar o pedaço fraturado dentro de um copo com leite ou soro fisiológico para levá-lo até o cirurgião-dentista. O profissional poderá utilizá-lo na reconstrução do dente. Já, para sangramentos, é preciso manter a calma. Evite chorar e se desesperar na tomada de decisões. Uma toalha limpa ou gaze umedecida poderá ser utilizada para o estancamento do sangue até o atendimento. 
  
Caso a criança se encontre com a boca inchada, a utilização de gelo enrolado em uma toalha limpa poderá ajudar. Porém, não se deve descartar jamais a ida ao cirurgião-dentista, mesmo quando os dentes parecerem intactos. “Muitas lesões não dão sinais no momento do impacto e a demora no tratamento pode ocasionar a perda do dente –  que pode ter sofrido um dano irreversível na sua polpa (a parte interna dele), que é rica em vasos sanguíneos e inervações”, alerta Volpato. 
  
Ao ocorrer sangramento intenso, cortes grandes, deslocamento das arcadas dentárias ou sintomas como tontura e sonolência, é melhor ir direto para o hospital. Além de existir a possibilidade de o dente entrar na gengiva, a chamada intrusão dental, que deve ser avaliada por meio de radiografia ou tomografia dentária para mensurar o risco ao dente permanente – em formação embaixo do de leite –, será possível rastrear fraturas internas. 


Click aqui para ler  notícias da primeira página

0 comentários:

Postar um comentário