terça-feira, dezembro 05, 2017

Em Brasília, Taques discute fornecimento de gás com Evo Morales


O governador Pedro Taques esteve reunido, nesta terça-feira (05-12-17), em Brasília, com o presidente da Bolívia, Evo Morales, e, junto com suas respectivas equipes, trataram sobre a importação do gás boliviano para Mato Grosso. O Governo do Estado busca segurança jurídica para que possa receber, mensalmente, 500 mil metros cúbicos de gás, que seriam utilizados como fonte de energia nas indústrias.
Juntos, Bolívia e Mato Grosso buscam estabelecer relações para o mercado consumidor de ureia e fechar um novo contrato de fornecimento de gás natural para o Estado. “Temos interesse em nos conectar com Mato Grosso, que é um grande produtor agrícola e necessita de energia para continuar. Vamos todos trabalhar e chegar a resultados concretos nesta negociação”, afirmou o ministro de Hidrocarburos da Bolívia, Luis Alberto Sánchez.
A integração entre Mato Grosso e Bolívia já deu importantes passos durante a atual gestão. Está previsto para janeiro o primeiro voo direto entre Cuiabá e Bolívia, que fará parte do calendário de rotina do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande. Além disso, o governador Pedro Taques, em várias ocasiões, se reuniu com Evo Morales e membros do governo boliviano, defendendo a pavimentação de 315 quilômetros da rodovia que liga San Matias a San Ignácio - considerada pelo governo como essencial para a integração regional.
Taques convidou a comitiva boliviana para uma nova reunião, em Cuiabá. “Tivemos hoje uma importante reunião com Evo Morales e pedimos uma reunião, em Cuiabá, para tratar das obras que ligam nosso Estado à Bolívia, assunto que estamos tratando desde a Caravana da Integração, que realizamos em 2016, assim como a compra do gás boliviano e o mercado da ureia. Avançamos nesta conversa e agora vamos em busca de resultados mais concretos”, afirmou o governador.
A reunião, prevista para o dia 20 de dezembro, contará com a presença do governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, que tem as mesmas demandas que o Executivo mato-grossense.
Por ser menos poluente, o gás natural tem baixo impacto ambiental. O gasoduto possui 645 km de extensão, sendo 283 km no lado brasileiro e 362 km no lado boliviano. O governo boliviano pretende ampliar o comércio.

A integração entre Mato Grosso e Bolívia já deu importantes passos durante a atual gestão. Está previsto para janeiro o primeiro voo direto entre Cuiabá e Bolívia, que fará parte do calendário de rotina do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande. Além disso, o governador Pedro Taques, em várias ocasiões, se reuniu com Evo Morales e membros do governo boliviano, defendendo a pavimentação de 315 quilômetros da rodovia que liga San Matias a San Ignácio - considerada pelo governo como essencial para a integração regional.

 

0 comentários:

Postar um comentário