segunda-feira, janeiro 15, 2018

Livro relata colaboração britânica com tortura no Brasil na ditadura


Uma carta enviada pelo então embaixador britânico no Brasil, David Hunt, ao Foreign Office, o Ministério das Relações Exteriores britânico, em 1972, comprova que o Reino Unido colaborou com o sistema repressivo da ditadura militar (1964-1985), e que a diplomacia do país sabia dessa colaboração.
O documento secreto, encontrado nos arquivos da diplomacia inglesa, é uma das principais evidências citadas por um livro recém-lançado que revela a conivência e ajuda britânicas com o regime militar. Em "Segredos de Estado: O Governo Britânico e a Tortura no Brasil (1969-1976)" (Ed. Prismas), o pesquisador João Roberto Martins Filho, professor da UFSCar, analisa a ainda pouco explorada relação dos governos europeus com a ditadura.
"Até aqui, havia relatos de empréstimo de técnicas britânicas de interrogatório ao Brasil, mas não havia nada detalhando o que aconteceu. Ninguém usava a palavra tortura, claro, mas a pesquisa prova que houve colaboração britânica com a tortura no Brasil", explicou Martins Filho.
Segundo ele, métodos de tortura psicológica como obrigar os detidos a permanecer em pé contra a parede com os braços estendidos, a privação de sono, uso de ruído contínuo e monótono, além da geladeira (uma cela com temperaturas baixíssimas), foram usados em presos políticos no Brasil por influência britânica.
O estudo, realizado durante passagem de Martins Filho pelo King's College de Londres, avaliou documentos liberados recentemente e outros adquiridos por meio da lei de acesso à informação do Reino Unido, além de depoimentos de presos torturados no Brasil e na Irlanda do Norte. Ele traça uma minuciosa cronologia do uso de técnicas de interrogatório britânicas, as chamadas "cinco técnicas do Ulster", no Brasil por pelo menos seis anos desde o início de 1971. O nome é uma referência à tortura usada pelos britânicos contra presos da Irlanda do Norte.
Apesar da revelação documental da colaboração britânica e de a informação ter chegado ao Foreign Office, Martins Filho diz acreditar que o empréstimo de técnicas de tortura ocorreu sem o conhecimento dos primeiros-ministros da época.
Para o autor, o Reino Unido foi conivente porque viu a oportunidade de melhorar as relações comerciais com o Brasil –especialmente a venda de fragatas, helicópteros e mísseis ao país.
Segundo o pesquisador, o que houve foi uma colaboração "subterrânea. Uma ação supersecreta de grupos militares que agem à revelia do governo até hoje, como se viu no Iraque. É um conhecimento de técnicas de tortura que não é documentado, mas passado por tradição oral", explicou o autor.
Folhapress


0 comentários:

Postar um comentário