terça-feira, fevereiro 20, 2018

Mercado ignora engavetamento da reforma da previdência e Ibovespa bate pico histórico


O principal índice acionário da B3 subiu nesta terça-feira (20-02-18), renovando máxima histórica, com o fluxo estrangeiro ajudando a manter o tom positivo pelo quinto pregão seguido, em dia marcado por forte alta nas ações da Eletrobras, após o governo colocar a privatização da elétrica na pauta da agenda alternativa à reforma da Previdência.
O Ibovespa fechou em alta de 1,19 por cento, para nova máxima de fechamento de 85.803 pontos. Mais cedo, o índice também renovou a maior cotação intradia, aos 86.290 pontos. O giro financeiro do pregão somou 12,3 bilhões de reais.
O mercado abriu no vermelho, mas ganhou fôlego amparado no fluxo de investimento estrangeiro, que voltou a registrar saldos diários positivos no final da semana passada, e na perspectiva positiva para retomada da economia.
"Os índices econômicos continuam fortes... e o fluxo de estrangeiro (diário) voltou a ser positivo", disse o gestor da mesa Bovespa da Coinvalores, Marco Tulli Siqueira.
A abertura mais negativa veio como reação inicial após a decisão do governo federal de desistir da votação da reforma da Previdência e apresentar um conjunto de medidas econômicas, boa parte delas já em tramitação no Congresso, em uma tentativa de reafirmar o compromisso com o equilíbrio fiscal.
O impacto acabou sendo contido, uma vez que o mercado vinha cada vez mais colocando no preço a possibilidade de que a reforma previdenciária não seria votada este ano.
"Abriram as gavetas e foram retirando coisas para cima das mesas, no intuito de minorar os efeitos da extinção da reforma da Previdência, que segue sendo imprescindível e será um ônus inicial para o novo presidente", escreveu o economista-chefe da corretora Modalmais, Alvaro Bandeira, em nota a clientes.

0 comentários:

Postar um comentário