sábado, março 03, 2018

Respire fundo e conte até dez



Não é fácil, mas é melhor manter a calma durante uma discussão com seus filhos e evitar palavras que possam magoá-los.

Encontrei este artigo na página do Discovery Kids e decidi compartilhar com os amigos. A reflexão diz que às vezes, as obrigações e pressões da vida cotidiana são tão grandes que afetam o relacionamento entre pais e filhos. Com mais frequência do que desejaríamos, suas travessuras acabam com a nossa paciência e dizemos coisas das quais nos arrependemos mais tarde. Para evitar que isso aconteça, experimente aplicar as seguintes estratégias:



1. A primeira apela para a clássica exortação de Thomas Jefferson, um dos fundadores dos Estados Unidos: "Quando estiver irritado, conte até dez antes de falar. E se estiver muito irritado, conte até cem". Dan Johnston, doutor em filosofia e professor-assistente de psiquiatria e ciência do comportamento da Escola de Medicina da Universidade de Mercer, argumenta que a técnica funciona porque se baseia nos dois pilares da gestão da raiva: o tempo e a distração. O tempo permite adiar a reação, e contar permite não se deter no que aconteceu.



A irritação acaba provocando uma reação impulsiva, que só agrava a situação. Depois de esperar o tempo necessário para se acalmar, a maioria das pessoas aprende a controlar os impulsos iniciais e não dizer o que pensa realmente. 



2. Depois de respirar fundo, tente falar com calma e escutar. Faça com que a criança entenda o que você quer dizer, mas sem gritar, o que só atrapalha a comunicação.



É preciso empreender um esforço para entender o que está incomodando a criança e por que está tentando chamar sua atenção. Em seus gestos e palavras, há uma metamensagem. Pergunte com calma para tentar resolver o problema sem brigar.



3. Evite generalizações, e quando disser alguma coisa, não faça comentários negativos sobre a criança. Se ela quebrar alguma coisa e você não conseguir se conter, evite fazer perguntas como "por que você é tão desastrado?". Certamente, essas palavras ficarão gravadas em sua memória. As crianças pequenas acreditam no que escutam, sobretudo quando se refere a elas, e esses rótulos negativos podem se cristalizar mais tarde.



Para que a mensagem seja compreendida, concentre-se no objetivo. Por exemplo, se você deseja que a criança se comporte de determinada maneira, o motivo da reprimenda precisa estar bem claro. "Tome cuidado na próxima vez em que segurar um copo".


4. Tente usar a palavra "eu" em vez de "você". Isso faz com que suas palavras soem menos agressivas e enfatizem algo que desagrada a você, não um defeito da criança.

5. Use o humor, as piadas descontraem nas piores situações. No começo, não é fácil, mas é uma postura gratificante. Quando se consegue brincar em um momento de conflito, a irritação desaparece e os vínculos se fortalecem.

6. Descanse bem. Relaxar só trará benefícios para o relacionamento com seus filhos. Evite usar frases como "não me incomode" ou "estou ocupado" para conseguir o espaço de que precisa, porque seu filho pode internalizar essas mensagens. 

Segundo Suzette Haden Elgin, fundadora do Centro de Estudos de Idiomas Ozark, no Arkansas (EUA), isso pode fazer com que a criança "comece a pensar que não adianta falar com você porque sempre é ignorada". Seu filho pode perder o costume de compartilhar sua vida com os pais, e a comunicação vai se perdendo com o tempo.

Quando precisar de um momento de tranquilidade, explique que precisa terminar de fazer alguma coisa. Peça para que a criança fique em silêncio durante alguns minutos e diga que podem brincar juntos quando você terminar.

7. Não recorra a ameaças como "quando seu pai/sua mãe chegar você vai ver". Quem estiver disponível no momento da indisciplina deve conversar com a criança imediatamente, do contrário, podem ocorrer situações indesejáveis: quando o pai ou a mãe ausente chegarem em casa, a criança já pode ter esquecido o que fez, ou a angústia da antecipação do castigo pode ser pior do que o mau comportamento.


Discovery Kids

Click aqui para ler  notícias da primeira página

0 comentários:

Postar um comentário