domingo, junho 17, 2018

Atlas da Violência 2018 aponta Várzea Grande, Rondonópolis, Cuiabá e Sinop entre os 123 municípios com maior percentual de mortes no país


Várzea Grande, Rondonópolis, Cuiabá e Sinop estão no ranking das cidades com mais percentual de mortes a cada 100 mil habitantes. O levantamento, que aponta as quatro cidades mais violentas do estado de Mato Grosso, faz parte do Atlas da Violência 2018 - Políticas Públicas e Retratos dos Municípios Brasileiros, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Ao todo, 123 municípios do país estão na lista com a maior concentração de mortes.

Várzea Grande tem a maior taxa de homicídio, 52,0 a cada 100 mil; Rondonópolis com 50,7; Cuiabá com 40,8 e Sinop com 39,9 a cada 100 mil pessoas.
Os 123 municípios mapeados concentram 50% das mortes do país. Foram analisados 309 municípios, ou seja, todos aqueles que tinham mais de 100 mil habitantes em 2016. Os 3 mais pacíficos, segundo o Atlas da Violência 2018, são Brusque (SC), Atibaia (SP) e Jaraguá do Sul (SC). Os 3 mais violentos são Queimados (RJ), Eunápolis (BA) e Simões Filho (BA).
Além da taxa de violência o Atlas traz outros indicadores. Em Várzea Grande a taxa de atendimento escolar entre 0 a 3 anos alcança 13,9 e de 15 a 17 anos chega a 82,3. No município 12,2% das crianças são pobres e 36,2% são vulneráveis à pobreza. A vulnerabilidade juvenil de pessoas entre 15 a 24 anos é de 8,0.
Os indicadores mostram Rondonópolis com 20,2 % da escolarização entre 0 a 3 anos e 85,2 de 15 a 17 anos. 9,6 % das crianças são pobres e 30,4 vulneráveis à pobreza. A vulnerabilidade juvenil é de 5,7. Em Sinop a escolarização entre 0 a 3 anos é de 16,9 e de 15 a 17 anos é de 82,5. 5,7% das crianças são pobres e 25 são vulneráveis à pobreza. A vulnerabilidade juvenil é de 4,5.

Quanto a Cuiabá, os indicadores apontam a vulnerabilidade juvenil em 5,7, 10,8% das crianças pobres e 30 vulneráveis à pobreza. A taxa de atendimento escolar entre 0 a 3 anos é 24. Já nos jovens entre 15 a 17 anos é 84,4.
 
Click aqui para ver matérias na página inicial

0 comentários:

Postar um comentário