sexta-feira, junho 22, 2018

Servidor morto há 28 anos ainda recebe salários da AL e progressão de carreira; MPE pede explicações


Um ex-servidor da Assembleia do Estado de Mato Grosso (ALMT), que morreu no dia 20 de maio de 1990, continua a receber seus salários normalmente e benefícios de elevação de carreira. Foi isso que detectou a 35ª Promotoria de Justiça Cível de Cuiabá, que instaurou inquérito civil público para apurar o suposto pagamento de salários a Luiz Cândido da Silva, que morreu há mais de 28 anos.

O promotor de Justiça Célio Joubert Fúrio assinou portaria de número 16/2018 e que pede explicações sobre o caso. O então servidor ocupava o cargo de técnico legislativo de nível médio, foi estabilizado e, posteriormente, recebeu reenquadramentos, progressões, elevações de classes e níveis de carreira.
No Portal da Transparência do legislativo de Mato Grosso, Luiz Cândido da Silva aparece como ativo e lotado na Secretaria de Gestão de Pessoas, com remuneração bruta de R$ 13,2 mil.
Célio Fúrio determinou que o diretor do Departamento de Pessoal da Assembleia seja oficiado para apresentar explicações sobre o fato apurado, encaminhando a ficha funcional atualizada e completa, com todas as averbações (reenquadramentos, progressões, elevações de classes e níveis), dados pessoais e conta bancária utilizada para pagamento dos salários.
O diretor do Legislativo Estadual também terá que verificar e informar ao MPE a existência de servidor falecido com o mesmo nome do investigado e, em caso afirmativo, apontar o beneficiário da pensão por morte.
A viúva do investigado, que é servidora da Prefeitura de Cuiabá, também foi notificada a comparecer na Promotoria de Justiça no próximo dia 16 de julho para prestar esclarecimentos sobre os fatos. Ela terá que levar a cópia autenticada da certidão de óbito de Luiz Cândido da Silva, e também outros documentos pessoais e funcionais dele.  
 
Click aqui para ver matérias na página inicial

0 comentários:

Postar um comentário