terça-feira, outubro 23, 2018

Juiz da 7ª Vara Criminal de Cuiabá condena Humberto Bosaipo a 28 anos de prisão por desvios na Assembleia Legislativa


O ex-deputado estadual e ex- conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, Humberto Bosaipo, foi condenado nesta segunda-feira (22-10-18) pelo juiz Marcos Faleiros, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, a 28 anos, 10 meses e 20 dias de prisão por desvios de recursos da Assembleia Legislativa e lavagem de dinheiro.

A pena deve ser cumprida em regime fechado, no entanto Bosaipo pode recorrer da sentença em liberdade.

Além da condenação de reclusão, Bosaipo também foi multado em 200 (duzentos) dias-multa, fixado o valor do dia-multa em 01 (um) salário mínimo.

A ação penal foi instaurada pelo Ministério Público Estadual (MPE), diante da descoberta do esquema, com a deflagração da Operação Arca de Noé, em 2002, que teve como alvo principal o ex-chefe do crime organizado em Mato Grosso, João Arcanjo Ribeiro. 

Conforme as investigações do Ministério Público, foram encontrados diversos cheques da Assembleia em posse da empresa Confiança Factoring, que pertencia a Arcanjo. 

O processo descreve um esquema promovido pelos então deputados estaduais Silval Barbosa, José Riva, Humberto Bosaipo, Hermínio Barreto, além dos ex-servidores Tegivan Luiz Moraes, Guilherme da Costa Garcia, e também de Cleudes Zuchi. Empresários do ramo gráfico figuram ainda como réus.

O esquema em questão, segundo o MPE, funcionou por meio da empresa Edlamar Medeiros Sodré ME, que recebeu 32 pagamentos suspeitos entre julho de 2000 e novembro de 2002.


A empresa, que era “fantasma”, recebeu cerca de R$ 1,6 milhão da Assembleia, simulando prestar serviços, sendo que os valores eram posteriormente repassados a Bosaipo e a outros membros do esquema, como o ex-deputado José Riva – que responde a uma ação em separado pelos mesmos fatos. 

0 comentários:

Postar um comentário