domingo, novembro 04, 2018

Cuidador de idoso é a ocupação que mais cresce no País em uma década


Com o envelhecimento da população brasileira em ritmo acelerado, a ocupação de cuidador de idoso foi a que mais cresceu no País na última década entre 2,6 mil profissões pesquisadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).
O balanço, feito pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), com base em dados do ministério, mostra que o número de profissionais do tipo passou de 5.263 em 2007 para 34.051 em 2017, alta de 547%.
O crescimento e a formalização desse mercado esbarram na falta de regulamentação e na ainda escassa capacitação adequada dos profissionais. Como a ocupação ainda não foi regulamentada como uma profissão, não há regras claras sobre a formação mínima que deveria ser exigida nem qual seria o conteúdo obrigatório dos cursos.
Um projeto de lei tramita na Câmara para criar e regulamentar a profissão de cuidador não só de idosos, mas de crianças e de pessoas com deficiência ou doença rara. Ele aguarda designação do relator. Há também um projeto de lei do Senado para determinar as atribuições de quem desempenha essa função.
Sem a regulamentação, as atribuições e o perfil de quem desempenha essa tarefa estão descritos apenas na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO). A orientação é de que devem ser contratados maiores de idade, que fizeram cursos livres entre 80 e 160 horas e que demonstrem empatia e paciência. Entre as atribuições estão ajudar nas atividades diárias, observar o comportamento e estimular a independência.
Dados do MTE mostram que, de fato, os cuidadores hoje têm nível de escolaridade maior do que há dez anos. Em 2007, 63,2% deles não tinham nem ensino médio completo. No ano passado, esse índice caiu para 25,1%.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

0 comentários:

Postar um comentário