quinta-feira, novembro 01, 2018

Moro aceita convite de Bolsonaro para ser ministro da Justiça no futuro governo


O juiz federal Sérgio Moro aceitou o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para ser ministro da Justiça na manhã desta quinta-feira (1º). A informação foi inicialmente dada por um interlocutor que participou da conversa entre o juiz e o presidente eleito, mas depois foi confirmada pelo próprio Moro através de uma nota oficial divulgada por sua assessoria de imprensa.

O presidente eleito e o futuro novo ministro da Justiça estavam reunidos na casa de Bolsonaro na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, desde às 9h. Já às 10h40, o juiz federal deixou o condomínio e tentou conceder uma entrevista coletiva, mas por conta da grande agitação e aglmoeração desistiu e retornou ao carro acompanhado do também futuro ministro do governo Bolsonaro, Paulo Guedes. Poucos minutos depois, no entanto, houve o anúncio oficial de que Sérgio Moro aceitou o convite.

Dessa forma, o novo governo Bolsonaro já conta com cinco nomes confirmados na futura equipe ministerial. Além de Sérgio Moro, no superministério da Justiça e da Segurança Pública, e Paulo Guedes, no superministério da Economia, também estão confirmados o astronauta Marcos Pontes, no ministério da Ciência e Tecnologia, o deputado Onyx Lorenzoni, no ministério da Casa Civil, e o general Augusto Heleno, no ministério da Defesa. 

O futuro novo ministro da Justiça , por sua vez, deixou Curitiba já na manhã desta quinta-feira em voo de carreira com destino ao Rio de Janeiro. Ainda durante a viagem, Moro disse que se sentia "honrado" pelo convite e que não havia nada definido, mas que defendia "uma agenda anticorrupção e anticrime organizado no País".

Na sequência, Sérgio Moro também declarou em entrevista ao G1 que na reunião com Bolsonaro averiguaria se existia "convergência de ideias" para a "implementação dessa agenda". Uma hora e quarenta minutos de reunião depois, Moro e Bolsonaro parecem ter chegado a um consenso.

Como manda a regra da magistratura, para poder assumir o cargo de ministro da Justiça, Sérgio Moro vai ter que pedir exoneração de seu cargo público de juiz federal concursado.

Até por isso, o juiz federal disse aceita o cargo no futuro governo do presidente eleito "com certo pesar, pois terei que abandonar 22 anos de magistratura".  Em nota oficial, Moro também declarou que "a Operação Lava Jato seguirá em Curitiba com os valorosos juízes locais" e acrescentou que "de todo modo, para evitar controvérsias desnecessárias, devo desde logo afastar-me de novas audiências" e encerrou dizendo que "na próxima semana, concederei entrevista coletiva com maiores detalhes".

G1

0 comentários:

Postar um comentário