quinta-feira, dezembro 27, 2018

Japão retoma caça comercial de baleias


O Japão anunciou que está deixando a Comissão Baleeira Internacional (CBI) para retomar a caça comercial aos animais pela primeira vez em 30 anos.
O Japão mudou para o que chama de caça para pesquisa depois que a IBC impôs uma moratória à caça comercial na década de 1980, e agora diz que os estoques se recuperaram o suficiente para a volta da caça comercial.
Yoshihide Suga, secretário-geral do gabinete, disse que o Japão retomará a atividade baleeira comercial em julho "de acordo com a política básica do Japão de promover o uso sustentável de recursos aquáticos, com base em evidências científicas".
Suga afirmou que as caçadas comerciais serão limitadas às águas territoriais do Japão e à sua zona econômica, exclusiva de 320 km ao longo de suas costas. Ele disse que o Japão parará suas expedições anuais de caça às baleias nos oceanos da Antártica e do Pacífico noroeste. Estados não signatários não estão autorizados a fazê-lo, de acordo com funcionários da Agência Japonesa de Pesca.
A CBI impôs a moratória à caça comercial de baleias há três décadas devido a uma população cada vez menor de baleias. Em 1987, o Japão mudou para o que é chamado de caça para investigações científicas. Mas a carne das baleias, de um jeito ou de outro, acabava nas peixarias.
A Agência de Pesca confirmou que o Japão planeja capturar três espécies de baleias que, acredita-se, tenham estoques suficientes - minke, sei e Bryde.
O Japão tem caçado baleias há séculos, mas reduziu suas capturas após protestos internacionais e o declínio no consumo da carne do mamífero em seu território.
Com a decisão, o Japão se torna a terceira nação a praticar abertamente a caça, junto da Islândia e Noruega.
A medida não foi bem recebida pela comunidade internacional. A Austrália disse estar "extremamente desapontada", e a Nova Zelândia lamentou a retomada da "ultrapassada e desnecessária" matança de baleias.
A CBI foi fundada em 1946 e, até então, contava com 89 países-membros.
Com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário