sábado, dezembro 15, 2018

Restrição ao direito de defesa é 'assombrosa', dizem advogados de João de Deus


Os advogados de João de Deus, 76, que é procurado pela polícia desde o início da tarde de sexta-feira (14-12-18), disseram que o decreto de prisão preventiva autorizado pela Justiça é injusto e ilegal.

A equipe de defesa do médium afirmou que "apenas alguns depoimentos, de poucas vítimas" acompanham o pedido de prisão preventiva, sem nomes. Informa ainda que vai entrar com pedido de habeas corpus porque considera a decisão "ilegal e injusta", mas que isso não exclui a apresentação espontânea de João de Deus.

O advogado Thales Jayme (foto), da equipe, diz que o médium pode se entregar ainda na noite desta sexta.

João de Deus é suspeito de ter cometido abuso sexual contra uma centena de mulheres ao longo dos últimos 30 anos. Ele ainda não foi localizado pela polícia. Foram feitas buscas nos endereços dele em Anápolis, Goiânia e Abadiânia, além de fazendas.

Os advogados dizem que estão travando uma batalha na Justiça para terem acesso às centenas de denúncias de mulheres que alegaram à Promotoria terem sido vítimas de abuso sexual cometido por João nas instalações da casa de curas Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO).

"Na última segunda (10), estivemos no Ministério Público, em Goiânia, para obter cópias dos depoimentos prestados pelas vítimas e amplamente noticiados pela imprensa", segundo trecho de nota.

Segundo eles, a visita não obteve êxito. "O pedido [para acessar o conteúdo das denúncias] foi negado sob o argumento da preservação de sigilo."

0 comentários:

Postar um comentário