segunda-feira, janeiro 21, 2019

Grandeza de alma - Sebastião Siqueira


Olhando meus guardados, em um dos arquivos me deparei com uma matéria sobre o jovem britânico Stephen Sutton, que morreu em 14 de maio de 2014, em decorrência de câncer. Os últimos dias desse rapaz é motivo de uma avaliação profunda sobre o que cada um de nós está fazendo em benefício do próximo. Muitas vezes que podemos agir nos limitamos a ficar lamentando as nossas limitações ou ignorar a dor das outras pessoas, principalmente das que não fazem parte do nosso ciclo de amizade e familiar.

Mas Stephen Sutton fez diferente. Ele ganhou popularidade ao se propor a cumprir uma lista de desejos antes de morrer e arrecadou quantia significativa para doar ao Teenage Cancer Trust,  uma fundação de luta contra o câncer dos adolescentes. Ele não entregou os pontos com facilidade à doença que lhe tirou a vida terrena, no alvorecer de sua existência, aos 19 anos. Sua mãe comunicou, a época, a morte do rapaz na página de Sutton no Facebook.

Apoiado por Jason Manford, ator e apresentador da televisão britânica, Stephen lançou sua campanha em janeiro de 2013 para manter o público informado sobre o avanço da doença. Desde então recebeu o apoio de muitas personalidades.
Stephen Sutton, de Staffordshire (centro da Inglaterra), decidiu não desanimar quando foi diagnosticado com câncer de intestino e se propôs a cumprir a lista composta de 46 desejos.

Dos 46 desejos de sua lista, Sutton realizou uma parte, entre eles tocar bateria diante de 90.000 pessoas durante a final da Liga dos Campeões no estádio de Wembley em 2013, dar uma volta em um quadrículo, beijar um elefante e saltar de paraquedas.

O jovem e seus apoiadores tinham o desejo de juntar 10.000 libras ( mais ou menos 16.000 dólares) para o Teenage Cancer Trust, mas acabou arrecadando o equivalente a 11,8 milhões de reais aproximadamente.

O exemplo Stephen Sutton é motivo para que eu, você, todos, possamos fazer uma auto reflexão sobre o legado que vamos deixar para os nossos semelhantes quando tivermos que deixar esta morada.

É era de nos colocarmos a pensar...

 Sebastião Siqueira é radialista e jornalista e edutor desta página virtual

0 comentários:

Postar um comentário