sábado, fevereiro 09, 2019

A história do cinto de castidade: mito ou verdade?




Já escutamos muitas histórias sobre os cintos de castidade, que eram comuns na cultura medieval e que eram usados pelos cavalheiros que viajavam para batalhas, longas peregrinações e cruzadas para garantir a fidelidade de suas mulheres. Mas até que ponto é real?  
Até hoje escutamos histórias com o acessório. Recentemente teve até um caso em que uma equipe do Corpo de Bombeiros da cidade de Padua, na Itália, teve que socorrer uma mulher que estava ‘presa’ em um cinto de castidade e não conseguia sair. A mulher explicou que ela mesma foi quem colocou o cinto, mas perdeu a chave e não conseguia abrí-lo.
No ano passado, o acessório também voltou a ser falado, só que desta vez os homens foram os protagonistas. Na cidade de Nyeri, no Quênia, uma mulher cortou o pênis do marido infiel. A medida drástica inspirou uma loja de moda masculina para colocar à venda um cinto de castidade masculino, a fim de proteger os quenianos de suas esposas ciumentas e rancorosas.
Além disso, os cintos de castidade também são comercializados hoje em dia geralmente para realizar fantasias sexuais. Se você fizer uma pesquisa pela internet encontra à venda em vários sites por 219,90 euros.  
Mito ou verdade?
Existem alguns estudos que dizem que os cintos estão mais próximos do mito que da realidade. Na Academia da Hungria, situada no Palazzo Falconieri de Roma, estão expostas reproduções de todos os tipos desses cintos sob o título 'A história misteriosa dos cintos de castidade: mito e realidade’.
Segundo Sebestyen Terdik, um dos curadores da amostra, o cinto é mais mito que realidade porque as pesquisas já demonstraram que a história das cruzadas e dos cavalheiros foi, na realidade, uma grande mentira.  
O professor Albrecht Classen, da Universidade do Arizona, nos EUA, e especialista em história medieval, escreveu o livro em 2007 “ The Chastity Medieval Belt”, o que o torna principal autoridade do mundo sobre o assunto.  
De acordo com ele, não há nenhuma evidência para indicar que existiu ou tais objetos foram produzidos na Idade Média. A primeira vez que se fala do cinto é em um livro escrito por  Konrad Keyeser em 1405. Acredita-se que o autor quis fazer uma leitura engraçada e fez uma piada sobre um dispositivo que as mulheres protegeriam a honra dos seus maridos quando estavam na batalha, longe delas.
O cinto de castidade logo se tornou um mito que foi falado e inúmeras piadas e sátira para fazer o divertimento dos homens impotentes ou mais, que não podia controlar suas esposas, que foram em busca de mais ativos sexualmente casais foram feitas. Há desenhos de cenas que refletem o momento em que o homem que vai em viagem, coloca um cinto de castidade do seu parceiro; enquanto o amante fora do armário com uma outra cópia da chave. “
De acordo com Francisca Molero, sexólogo, ginecologista e diretor do Instituto de Sexologia de Barcelona, "os padrões de higiene da época eram muito questionáveis e se hoje algumas mulheres usam absorvente e já podem ficar com irritação, é fácil imaginar as consequências de usar um cinto de metal pesado, duro e afiado, com tudo o que isso implica”, afirma.
“Para começar, as pessoas ficariam com feridas devido ao atrito ser produzido pelo simples ato de andar, sentar ou inclinar-se. Além de todos os tipos de higiene vaginal e anal. Tudo isso iria provocar a septicemia, o que seria difícil de curar naquela época. Ou seja, isso causaria a morte”, conclui.  

 Yahoo

0 comentários:

Postar um comentário