domingo, fevereiro 10, 2019

Disfunção erétil * Larissa H. Mamedes



A disfunção erétil é definida como a incapacidade persistente  de  obter e/ou manter uma ereção peniana satisfatória para a penetração ou para o término da atividades sexual. No Brasil, aproximadamente 45,1% dos homens, entre idades variadas, apresentam algum grau de disfunção erétil. A incidência e a prevalecia desta disfunção estão associados a fatores de risco e comodidades como as doenças cardiovasculares, diabetes melito e síndrome metabólica.

 Para o diagnóstico de disfunção erétil,, são  necessários exames específicos para definir se a etiologia é orgânica ou psicogênica. Para tal, um urologista e/ou cardiologista deverão  ser consultados e, excluindo os fatores orgânicos, se fará necessária a busca por terapia a fim de elucidar questões psicológicas  que estejam levando o sujeito a ter esse prejuízo na capacidade erétil.

 Uma vez definidas  as características da DE, deve-se estabelecer os fatores de risco e psicossociais que possam estar associados com o quadro clínico. Nesse sentido, é importante verificar o estilo de vida desse sujeito, os hábitos de vida, como tabagismo, alcoolismo, exercícios físicos e possível existência de outras doenças que possam estar correlacionados com a DE.

 Estudos recentes concluíram que a DE é um fator preditivo positivado para a doença da artéria coronariana, é frequentemente pode ser o sintoma de uma doença cardiovascular e/ou doença crônica. A impotência vasculogênica pode ser o primeiro sintoma de arteriopatia generalizada.

 O tratamento da Disfunção Erétil vai ser feito a partir das causas específicas em cada caso, levando em consideração a condição clínica do paciente e suas expectativas em relação ao tratamento. Ele pode ser feito por meio de medicamentos via oral (como o Viagra), injeção intracavernosa (com efeito vasodilatador, aumentando, assim, a circulação sanguínea), cirurgias para revascularização peniana ou para a aplicação de prótese peniana e a terapia breve, que, com a ajuda da adesão do paciente  ao tratamento,tem dado resultados satisfatórios  em tempo médio de 4 meses de trabalho.

 Procure  profissionais  habilitados para a realização de exames clínicos e faça uma psicoterapia bem orientada para melhor resposta ao tratamento da Disfunção Erétil. Cuide da sua saúde, cuide da sua sexualidade.


 Larissa H. Mamedes  é Psicóloga e Terapeuta Sexual , CRP SEC 00055



Click aqui para ler  notícias da primeira página

0 comentários:

Postar um comentário