sexta-feira, maio 03, 2019

Baru: Castanha ou remédio? - Andréia kruger


Hoje falaremos de uma planta que a primeira vista pode passar batida aos olhos de quem não a conhece, mas que guarda em si um poder enorme para saúde humana. Típica do cerrado , o cumbaru ou baru e em outros lugares conhecida também como cumbari , foi ignorado por muito tempo pela culinária tradicional , ficando em segundo plano. Porém , a sabedoria do homem da roça jamais o deixou de lado. Tanto que foi apelidado de Viagra do cerrado.A razão disso é porque sua castanha tem poderes afrodisíacos , confirmado tanto pela sabedoria popular da zona rural quanto pelos seus apreciadores da cidade. O fruto tem sabor marcante , mas o que chama atenção de todas é sua castanha. 

As propriedades já descoberta dessa semente a transformou em uma especiaria , hoje disputada dentro dos maiores e melhores restaurantes do Brasil. 

Em alguns municípios já foi até utilizada a farinha da castanha do Baru para prevenção de anemia nas escolas e creches. Isso porque uma de suas propriedades é a riqueza de ferro. Além disso também é rica em zinco e ômega 9. Ambos nutrientes tem com função ser antioxidante e melhora os níveis de colesterol.Uma outra potente ação é o efeito anti- plaquetário, ou seja , o baru previne as tais perigosas tromboses. 

O baru também é rico em ácidos graxos , lipídios e proteínas vegetais. Bastam 4 a 5 castanhas diárias para prevenir de inúmeras doenças , além é claro de aumentar a virilidade masculina e a  fertilidade feminino. A razão disso é a  grande quantidade de zinco encontrada na castanha.

Apesar de toda essa riqueza de nutrientes e da importância do Baru , infelizmente está correndo risco de extinção, isso por causa do desenfreado desmatamento do cerrado. Talvez por isso  a dificuldade de encontrar a castanha a tornou muito cara nos grandes centros. O quilo da castanha pode chegar a 150 reais. Mas dado o enorme bem que o Baru faz a saúde , cada castanha vale o quanto pesa. Se pensar que pagamos muito mais caro pra curar doenças ou controla -las , comer 4 a 5 castanhas além de ser prazeroso é certamente um grande investimento na saúde. O baru não é remédio , mas certamente faz muito bem ao organismo humano.

Andréia kruger é  especialista em Direito Agro Ambiental e Alimentos, especialista em Educadora em Diabetes Graduanda em Nutrição e fundadora e presidente AMAD-MT Associação Mato- Grossense Atenção ao Diabético.

0 comentários:

Postar um comentário