sábado, julho 27, 2019

O que preciso saber sobre anorexia nervosa - Carlos Eduardo Reis


A anorexia faz parte dos transtornos alimentares, sendo uma síndrome caracterizada por três critérios essenciais. No primeiro deles, ocorre um distúrbio do comportamento onde a pessoa passa a uma inanição induzida por ela mesma até um grau significativo. No segundo critério, há uma busca incessante por magreza ou um medo mórbido de engordar, constituindo-se em uma psicopatologia, e no terceiro, existe a presença de sinais e sintomas resultantes da inanição, gerando alterações no organismo.
Em grande parte dos pacientes com anorexia existe uma percepção da imagem corporal dissonante da realidade, ou seja, a pessoa apesar de obviamente estar em estado de inanição se acha gorda. Porém, esta característica por si só não leva ao diagnóstico da doença, podendo estar ausente em algumas pessoas com anorexia. A doença é muito mais comum nos homens do que entre as mulheres, sobretudo em jovens. Ela começa geralmente durante a adolescência ou na idade adulta jovem e rara-mente se inicia antes da puberdade ou depois dos 40 anos.
O início desse transtorno costuma estar associado a um evento de vida estressante, como deixar a casa dos pais para ingressar na universidade. O curso e o desfecho da anorexia nervosa são altamente variáveis. Indivíduos mais jovens podem manifestar aspectos atípicos, incluindo a negação do “medo de gordura”. Indivíduos mais velhos tendem a ter duração mais prolongada da doença, e sua apresentação clínica pode incluir mais sinais e sintomas de transtorno de longa data. Os clínicos não devem excluir anorexia nervosa do diagnóstico diferencial com base apenas em idade mais avançada.
Muitos indivíduos apresentam um período de mudança no comportamento alimentar antes de preencherem todos os critérios para o transtorno. Alguns com anorexia nervosa se recuperam inteiramente depois de um único episódio, alguns exibem um padrão flutuante de ganho de peso seguido por recaída, e outros ainda experienciam um curso crônico ao longo de muitos anos.
A hospitalização pode ser necessária para recuperar o peso e tratar complicações clínicas. A maioria dos indivíduos com anorexia nervosa sofre remissão dentro de cinco anos depois da manifestação inicial do transtorno. O desfecho da anorexia nervosa varia de uma recuperação espontânea, a um curso com aumento e diminuição na intensidade, até a morte. O falecimento resulta mais comumente de complicações clínicas associadas ao próprio transtorno ou de suicídio.
Alguns fatores de risco que contribuem para a ocorrência do transtorno são:
Temperamentais. Indivíduos que desenvolvem transtornos de ansiedade ou exibem traços obsessivos na infância estão em risco maior de desenvolver anorexia nervosa.

Ambientais. Através de sua associação com culturas e contextos que valorizam a magreza, o que justifica o grande número de casos na atualidade. Existem fatores relacionados ao trabalho em ocupações que incentivam a magreza, como modelo e atleta de elite, que também estão associados a um risco maior.

Genéticos e fisiológicos. Existe risco maior de anorexia e bulimia nervosas entre parentes biológicos de primeiro grau de indivíduos com o transtorno.

Na verdade, indivíduos com anorexia nervosa com frequência carecem de insight ou negam o problema. É, portanto, importante obter informações de familiares ou de outras fontes para avaliar a história da perda de peso e outros aspectos da doença.
Aproximadamente metade das pessoas anoréxicas irá perder peso reduzindo de forma drástica sua ingestão alimentar. A outra metade não só fará dieta, como também se envolverá com regularidade em compulsão alimentar seguida de comportamentos purgativos (forçar vômitos, usar laxantes ou diuréticos). Alguns pacientes rotineiramente purgam depois de ingerir pequenas quantidades de comida. Caso apresente alguns dos sintomas acima, é importante buscar auxílio médico e psicológico.

Carlos Eduardo Reis é médico e cirurgião-dentista, com pós-graduação em educação, psiquiatria e medicina do trabalho, além de escritor, coach e palestrante

0 comentários:

Postar um comentário