quarta-feira, fevereiro 26, 2020

Como os signos lidam com o amor de Carnaval?



Áries: vai se divertir muito e roubar vários beijos. Se encontrar um cara (Mulher) mais interessante, pode passar o Carnaval inteiro com ele (ela), mas quando acabar nem se lembrará. / / /
Touro: não é de tomar a iniciativa, mas também não dorme no ponto. Age devagar, conquistando um(a) aqui, outro(a) ali. Troca contatos com quem acha que pode rolar algo mais íntimo. / / /
Gêmeos: é do tipo que vê um alvo e segue firme na conquista. Puxa um papo divertido, mas, assim que o entusiasmo passar ou se o cara (mulher) não souber conversar, parte pra outra.
Câncer: olha de longe e espera que ele tome a iniciativa, mas só vai dar moral depois que ele se esforçar. Sonhadora, já começa a pensar se o lance pode ter futuro.
Leão: os dias de folia são perfeitos para mostrar que sabe como conquistar um homem. Se encontrar alguém que resista ao seu charme, aceita o desafio e parte pra luta!
Virgem: mesmo quando está afim, é difícil tomar a iniciativa. Se ele se aproximar, aí, sim, a virginiana se solta. E, se o cara não for tudo o que quer, desencana numa boa.
Escorpião: esses dias de festa são perfeitos pra deixar todos os homens aos seus pés. Mas, se não for correspondida, é ele quem vai se tornar o seu alvo, mesmo depois.
Sagitário: durante o Carnaval, sua alegria encantará vários homens. Mas, com a mesma rapidez que isso acontece, sua empolgação logo vai embora também.
Capricórnio: mesmo que role uma noite legal, continua com os pés no chão, sem criar um romance na cabeça. Mesmo gostando, não fala nada durante o Carnaval, pois tem medo de se magoar.
Aquário: o mais certo é que role algo com alguém que já conhece. Depois que o Carnaval passar, podem até continuar a relação, mas nada sério ou com regras, pois quer continuar livre.
Peixes: se ficar com um cara gato, já começa a sonhar com compromisso. E não esconde suas expectativas do pretendente, não! Demonstra todo seu entusiasmo e desejo por um namoro ou até um casamento!
Libra: joga charme para todos os lados e, quando rola algo, entra de cabeça na relação. E não vai quer esperar, não. Se curtir, fica em cima pra definirem o status do relacionamento logo.
Fonte:Guia Astral


segunda-feira, fevereiro 24, 2020

Coisas do carnaval que você pode não saber....




1º. Para homenagear o Deus Saturno, havia uma festa na Roma Antiga chamada “Saturnais”. As escolas ficavam fechadas, os escravos eram soltos e as pessoas saíam às ruas para dançar. Carros (chamados de “carrum navalis” por serem semelhantes aos navios) levavam homens e mulheres nus em desfile. Muitos dizem que pode ter sido daí a expressão “carnavale”.
2º. A Igreja Católica se opunha a estes festejos pagãos, mas, em 590, decidiu reconhecê-los. Exigiu, porém, que o dia seguinte (Quarta-Feira de Cinzas) fosse dedicado à expiação dos pecados e ao arrependimento.
3º. Na Idade Média, incluía sátiras aos poderosos. Os foliões se protegiam de possíveis retaliações com a desculpa de que a festa os deixava loucos (“folia”, em francês, significa loucura).
4º. No Brasil o início da festa é conhecido como “grito de carnaval”. Antigamente os clubes promoviam festas pré-carnavalescas com este nome. Nessas festas as pessoas iam fantasiadas e cantavam e dançavam ao som de marchinhas de Carnaval.
5º. A data em que se comemora o Carnaval é definida com base na Páscoa. A Quarta-Feira de Cinzas sempre cai 46 dias antes do domingo da festividade, que é a soma dos 40 dias que antecedem o Domingo de Ramos com os 6 dias da Semana Santa.
6º. Em 1855 houve aquele que foi considerado o primeiro desfile de Carnaval. Uma comissão de intelectuais formou um bloco chamado “Congresso das Sumidades Carnavalescas”. Os participantes foram até o palácio de São Cristóvão pedir para que a família real assistisse ao desfile. Dom Pedro II aceitou o convite. A polícia do Rio de Janeiro autorizou o desfile de blocos pelas ruas em 1889.
7º. Foi na Rua Visconde de Itaúna, próximo a Praça Onze, que nasceu o samba. Uma roda de amigos improvisava versos na casa de uma das moradoras do morro, a tia Ciata (Hilária Batista de Almeida). Em 6 de agosto de 1916, o grupo criou a música O Roceiro, que caiu no gosto do povo. Depois de repetida em outras noites, sempre com muito sucesso, Donga, um dos participantes, resolveu registrar a canção em seu nome, com o título de Pelo telefone. Quando ela foi gravada, em 1917, os outros integrantes do grupo – Germano Lopes da Silva, Hilário Jovino Ferreira, João da Mata, Sinhô e tia Ciata – reivindicaram direitos pela composição. Donga contestou essa versão.
8º. O nome do ritmo é de uma língua africana chamada banto, falada em Angola. Há duas versões para sua origem: ou ela deriva do termo samba (bater umbigo com umbigo), ou é uma junção de sam (pagar) e de ba (receber). Nas antigas rodas de escravos se praticava a umbigada, dança em que dois participantes davam bordoadas um no baixo-ventre do outro.
9º. O Carnaval brasileiro é descendente do “entrudo” português. O dicionário diz que entrudar significa molhar com água, empoar de goma ou talcos, fazer peça. E a farra era esta mesmo. No século 17, os foliões se armavam de baldes e latas cheias de água. E todos acabavam molhados. Até Dom Pedro II se divertia jogando água nos nobres. Acontecia aqui antes do início da Quaresma e durava três dias, do domingo até a terça-feira gorda.
10º. Com o passar dos anos, a brincadeira foi ficando mais agressiva. Água suja, farinha e talco lambuzavam as roupas dos brincalhões. Limões, laranjas e ovos eram atirados em quem estivesse na rua. Logo surgiu uma lei proibindo o entrudo. Em 1854, um chefe de polícia do Rio de Janeiro (RJ) determinou que a partir daquela data o entrudo tinha de “ser seco para não estragar as roupas mais custosas e cuidadas e não provocar desordens e confusão”. O entrudo à seco se transformou no Carnaval.

Fonte: O Guia dos Curiosos

 
Click aqui para ler  notícias da primeira página

domingo, fevereiro 23, 2020

Especialistas indicam alimentos que ajudam a minimizar efeitos da ressaca

Carnaval é sinônimo de alegria. E o que nunca falta em uma festa são as bebidas alcóolicas. Porém, o excesso de álcool pode acabar derrubando o mais fiel dos foliões e se recuperar no dia seguinte pode ser uma missão ingrata. 
O médico Moacir Augusto Dias, clínico geral e gastroenterologista do Seconci-SP (Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo), dá algumas dicas aos foliões para ajudar a evitar a ressaca ou diminuir seus efeitos.
Dias ressalta que dois pontos são importantes para aqueles que gostam de beber:  o primeiro é que é preciso se alimentar antes. Dessa forma, o estômago ficará protegido o que proporcionará uma resistência maior ao álcool. Beber bastante água também é uma dica a ser seguida. Antes, durante e após a ingestão da bebida alcoólica.


A nutricionista Rita de Cássia Silva, da Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André), frisa que um passo importante é mesmo se hidratar com antecedência, ingerindo diariamente entre dois e três litros de líquido, de preferência água e sucos naturais.

Carolina Pedrosa, nutricionista consultora da Smart Life, comenta que o excesso de bebida alcoólica aumenta, em um primeiro momento, a diurese e sudorese, provocando a perda de sais minerais. "Isso é percebido através de sintomas como a dor de cabeça e fadiga. Então, é importante a reposição desses sais minerais com a ingestão de muita água e a água de coco, que possui uma composição bem semelhante ao soro fisiológico, além de ter boas doses de magnésio, potássio, sódio, cálcio, além da vitamina C", diz ela.



Perigos

"Tem muita gente que ainda acredita que a melhor forma de se curar a ressaca é continuar bebendo", exemplifica Dias. Ele é enfático ao afirmar que esse é um mito perigoso e explica de onde pode ter surgido: "Em hospitais, a solução utilizada no tratamento da pessoa alcoolizada tem como base o álcool, mas isso somente para dependentes químicos. Essa é uma forma de reduzir os sintomas de abstinência".


Outro mito que Dias faz questão de alertar ser perigoso é sobre o uso de paracetamol: "No caso de ressaca, não devemos fazer uso desse medicamento. O paracetamol deve ser consumido com parcimônia, uma vez que se trata de medicação tóxica ao fígado".

Carboidratos

No que diz respeito à alimentação, a nutricionista recomenda que se opte por itens ricos em carboidratos (como pão, macarrão e batata). "O ideal é que o folião procure intercalar o álcool com muita água. Para facilitar, outra dica é sempre levar barrinhas de cereais e nada de fritura durante a folia. Além de apresentar teor elevado de gordura, este tipo de alimento gera uma sensação de estômago pesado e moleza."



Ela também indica verduras e legumes, que são alimentos ricos em vitaminas, minerais, fibras e água, e por isso devem ser ingeridos com frequência e variedade. Assim como as frutas cítricas são uma boa pedida.

Já o médico ensina que a refeição mais indicada para a quarta-feira de cinzas é um prato de massa sem molho, pão, legumes, atum e frutas de sobremesa. 

Para evitar
Café deve ser evitado, pois tem ação diurética e desidrata ainda mais o corpo. "Evite então o famoso café sem açúcar, que supostamente é recomendado para amenizar a dor de cabeça", adverte Dias.

Também devem ser evitados molhos branco e vermelho, queijos amarelos, frituras, leite e carne vermelha após a ingestão de álcool, isso porque o pH do sangue fica mais ácido, então é recomendável evitar todos os alimentos ácidos e gordurosos.



Uma recomendação da nutricionista da Craisa para aqueles que exageraram no álcool é o repouso. Além disso, ela indica, mais uma vez, a ingestão de água e suco durante todo o dia, o que refletirá também no tempo de recuperação.

Já a também nutricionista Carolina Pedrosa aconselha a reduzir a ingestão de gorduras (carnes gordurosas, frituras, cremes, queijos amarelos) que podem sobrecarregar ainda mais a função hepática.
Alimentação leve
Ainda segundo a profissional, o consumo de alimentos leves e ricos em carboidratos, bem como de frutas e verduras deve ser mantido: "Dê preferência a sopas e caldos", orienta.
A nutricionista Carolina Pedrosa indica chás como o de alecrim, que é antioxidante; de hortelã, que é anti-inflamatório, favorece a digestão e reduz a flatulência e o de de boldo, que é digestivo e hepatoprotetor.
"Oleaginosas (como nozes, castanhas e macadâmias) e abacate são bem-vindos, pois contêm ácidos graxos monoinsaturados que atuam protegendo a parede das artérias, que sofre com o aumento de toxinas no sangue. Além disso, são ótimas fontes de vitamina E , nutriente antioxidante", diz ela.


Além da dor de cabeça, azia e mal-estar geral, algumas pessoas ainda podem ter diarreia. Nestes casos, o gastroenterologista diz que a pessoa pode fazer um soro caseiro, pois ele é rico em sódio e a glicose, que ajudam a evitar a desidratação. Porém, se mesmo com isso a pessoa continuar passando mal, é importante procurar ajuda médica o quanto antes e evitar a automedicação.



sexta-feira, dezembro 13, 2019

Conheça a história da santa protetora dos olhos.

                                                                  sertaosamanaunoticia

Santa Luzia (ou Santa Lúcia), cujo nome deriva do latim, é muito amada e invocada como a protetora dos olhos, janela da alma, canal de luz. 

Conta-se que pertencia a uma família italiana e rica, que lhe deu ótima formação cristã, ao ponto de Luzia ter feito um voto de viver a virgindade perpétua. Com a morte do pai, Luzia soube que sua mãe queria vê-la casada com um jovem de distinta família, porém pagão. Ao pedir um tempo para o discernimento foi para uma romaria ao túmulo da mártir Santa Ágeda, de onde voltou com a certeza da vontade de Deus quanto à virgindade e quanto aos sofrimento por que passaria, como Santa Ágeda. 

Vendeu tudo, deu aos pobres e logo foi acusada pelo jovem que a queria como esposa. Santa Luzia, não querendo oferecer sacrifício ao deuses e nem quebrar o seu santo voto, teve que enfrentar as autoridades perseguidoras e até a decapitação em 303, para assim testemunhar com a vida, ou morte o que disse: "Adoro a um só Deus verdadeiro, e a ele prometi amor e fidelidade".

Somente em 1894 o martírio da jovem Luzia, também chamada Lúcia, foi devidamente confirmado, quando se descobriu uma inscrição escrita em grego antigo sobre o seu sepulcro, em Siracusa, Ilha da Sicília. A inscrição trazia o nome da mártir e confirmava a tradição oral cristã sobre sua morte no início do século IV. 

Mas a devoção à santa, cujo próprio nome está ligado à visão ("Luzia" deriva de "luz"), já era exaltada desde o século V. Além disso, o papa Gregório Magno, passado mais um século, a incluiu com todo respeito para ser citada no cânone da missa. Os milagres atribuídos à sua intercessão a transformaram numa das santas auxiliadoras da população, que a invocam, principalmente, nas orações para obter cura nas doenças dos olhos ou da cegueira. 

Diz a antiga tradição oral que essa proteção, pedida a santa Luzia, se deve ao fato de que ela teria arrancado os próprios olhos, entregando-os ao carrasco, preferindo isso a renegar a fé em Cristo. A arte perpetuou seu ato extremo de fidelidade cristã através da pintura e da literatura. Foi enaltecida pelo magnífico escritor Dante Alighieri, na obra "A Divina Comédia", que atribuiu a santa Luzia a função da graça iluminadora. Assim, essa tradição se espalhou através dos séculos, ganhando o mundo inteiro, permanecendo até hoje. 

Luzia pertencia a uma rica família de Siracusa. Sua mãe, Eutíquia, ao ficar viúva, prometeu dar a filha como esposa a um jovem da Corte local. Mas a moça havia feito voto de virgindade eterna e pediu que o matrimônio fosse adiado. Isso aconteceu porque uma terrível doença acometeu sua mãe. Luzia, então, conseguiu convencer Eutíquia a segui-la em peregrinação até o túmulo de santa Águeda ou Ágata. A mulher voltou curada da viagem e permitiu que a filha mantivesse sua castidade. Além disso, também consentiu que dividisse seu dote milionário com os pobres, como era seu desejo. 

Entretanto quem não se conformou foi o ex-noivo. Cancelado o casamento, foi denunciar Luzia como cristã ao governador romano. Era o período da perseguição religiosa imposta pelo cruel imperador Diocleciano; assim, a jovem foi levada a julgamento. Como dava extrema importância à virgindade, o governante mandou que a carregassem à força a um prostíbulo, para servir à prostituição. Conta a tradição que, embora Luzia não movesse um dedo, nem dez homens juntos conseguiram levantá-la do chão. Foi, então, condenada a morrer ali mesmo. Os carrascos jogaram sobre seu corpo resina e azeite ferventes, mas ela continuava viva. Somente um golpe de espada em sua garganta conseguiu tirar-lhe a vida. Era o ano 304. 

Para proteger as relíquias de santa Luzia dos invasores árabes muçulmanos, em 1039, um general bizantino as enviou para Constantinopla, atual território da Turquia. Elas voltaram ao Ocidente por obra de um rico veneziano, seu devoto, que pagou aos soldados da cruzada de 1204 para trazerem sua urna funerária. Santa Luzia é celebrada no dia 13 de dezembro e seu corpo está guardado na Catedral de Veneza, embora algumas pequenas relíquias tenham seguido para a igreja de Siracusa, que a venera no mês de maio também.




Prevenção, este é o primeiro remédio para evitar a cegueira



A deficiência visual pode ser definida como a perda total ou apenas parcial da visão. Esse problema, que pode ser congênito ou adquirido, representa, para muitos, uma grande limitação. 
Com a finalidade principal de diminuir barreiras físicas, de preconceito e de discriminação, foi criado o Dia do Cego, que é celebrado em 13 de dezembro. Essa data foi instituída em julho de 1961 pelo presidente Jânio Quadros, através do decreto Nº 51.045, e marcou um importante passo para a diminuição dos preconceitos que rondam os portadores de deficiência visual.
Em Mato Grosso, de acordo com dados oficiais, existem 5 mil cegos. Isto se refere aos que nasceram assim ou perderam totalmente a visão ao longo da vida, seja na infância, na vida adulta ou velhice.
Incluindo aqueles que mantiveram parcialmente a visão, este número sobre para 91 mil pessoas.
No Dia Nacional do Cego, o alerta é para doenças oftálmicas, como glaucoma e outras, como catarata, que atingem as demais regiões dos olhos. Além de acidentes que possam atingir o globo ocular.
O glaucoma é muito agressivo e muitas vezes leva à cegueira, mas, de uma década para cá, a medicina avançou muito nesta área e há colírios e outros mecanismos para estancar a progressão da doença.
Estima-se que o glaucoma atinja mais de 1,2 milhão de brasileiros atualmente, sendo que 80% dos casos não apresentam sintomas e é a condição que mais causa cegueira não reversível em todo o mundo.
Grande parte dos casos de glaucoma é tratada com colírios para controlar a pressão intraocular que embora não seja muito importante para o diagnóstico da doença é crucial para o tratamento. Neste ponto é importante ressaltar que o diagnóstico do glaucoma é feito pelo exame do nervo óptico (fundo de olho).
O glaucoma é a maior causa irreversível de cegueira no mundo. Os portadores da doença evoluem sem sintomas até próximo da perda de visão.
Por este motivo, a adesão ao tratamento é fundamental, ou seja, os pacientes devem seguir corretamente a prescrição médica. Segundo algumas pesquisas, cerca de 30% dos pacientes não seguem o tratamento proposto, 50% têm dificuldade física de pingar o colírio. Alguns estudos sugerem que o não seguimento do tratamento é responsável por 10% das perdas de campo visual. 


Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), são registrados 1,2 milhões de novos casos anualmente, somando 60 milhões de pessoas em todo o mundo e uma estimativa de 1 milhão de brasileiros acima de 40 anos sofrendo da doença.

Fatores de risco:
a) indivíduos acima dos 40 anos
b) histórico familiar – pessoas que têm irmão com glaucoma têm até 6x mais chances
c) pessoas de etnia negra ou afrodescendentes (a incidência da doença é quatro vezes maior nesse grupo)

d) míopes que utilizam lentes acima de seis graus; e) pessoas que fazem uso crônico de corticoide. 
Com dados da OMS

Click aqui para ler  notícias da primeira página

quarta-feira, novembro 27, 2019

Gosta de queijos? Aqui estão 15 curiosidades sobre eles.


1 – Segundo os registros arqueológicos, os humanos vêm produzindo — e saboreando — queijo há pelo menos 4 mil anos.

2 – Mas parece que a coisa toda aconteceu por acidente. Conforme acreditam alguns pesquisadores, tudo ocorreu quando um dos nossos ancestrais armazenou um pouco de leite em um recipiente forrado com o estômago de um animal — e as enzimas presentes nesse tecido agiram no líquido, transformando-o em queijo.

3 – Ninguém sabe dizer qual cultura, exatamente, começou a produzir a delícia, mas existem evidências históricas que indicam que foram os viajantes vindos da Ásia que introduziram o conhecimento de como fazer queijo na Europa, isso antes da época de o Império Romano dominar o continente.

4 – Sabia que, hoje, existem mais de 2 mil variedades de queijo pelo mundo? Aliás, só na França, são entre 350 e 450 tipos diferentes! Não é a toa que os franceses estão entre os maiores “devoradores” de queijo do mundo, com um consumo de mais de 25 quilos anuais por habitante.

5 – No entanto, apesar de tamanha variedade, o queijo mais popular e consumido mundo afora é a muçarela — ou “mozzarella” na grafia original.

6 – E sabia que, para produzir apenas 1 quilo de queijo, são necessários mais ou menos 10 litros de leite?

7 – Falando em quantidades, a Pizza Hut usa mais de 130 milhões de quilos de queijo por ano em suas pizzas — o que requer a “colaboração” de um rebanho de 170 mil vaquinhas.
8 – Com relação ao ingrediente principal para a produção de queijo, além dos tradicionais leite de vaca e de búfala, também é possível usar o de cabra, ovelha e “camela” para fabricar o produto.

9 – Você é viciado em queijo? Uma pesquisa revelou que o consumo desse alimento e de drogas pesadas faz com que a mesma região do cérebro entre em atividade.

10 – E você sabia que o queijo é o alimento mais roubado do mundo — e que existe uma fobia relacionada com ele, a turofobia?

11 – Por mais estranho que pareça, é possível produzir queijo vegano a partir do DNA humano!

12 – Apesar de muitos de nós terem crescido vendo ratinhos roubar e se deliciar com pedaços de queijo nos desenhos animados, a verdade é que os ratos não são muito amantes de queijo, não. Se puderem escolher, esses animais preferem atacar doces e alimentos ricos em carboidratos.

13 – Não é todo mundo que vai achar esta curiosidade especialmente “deliciosa”, mas, sabia que existe um queijo — o Casu Marzu, originário da Sardenha e feito com leite de ovelha — que contém larvas vivas de mosca em seu interior?

14 – Algumas variedades de queijo — como o suíço, a muçarela e o cheddar — podem ajudar a prevenir o surgimento de cáries. Isso porque o consumo promove um aumento na salivação que, por sua vez, ajuda na eliminação de açúcares e ácidos da boca.


15 – Outra vantagem “dental” associada com o consumo moderado de queijo é que esse alimento tem ação antibacteriana e ajuda a proteger o esmalte dos dentes. Além disso, o queijo é uma excelente fonte de proteína, cálcio e fósforo.

Fonte: Mega Curiosidade


quinta-feira, agosto 15, 2019

Manual orienta mulher da importância do ácido fólico



Você sabia que a gestante tem um dia só pra ela?
E é hoje!O dia é só delas. 15 de agosto é dia das barrigudinhas!
Essa data é comemorada desde 2001, quando o governador de São Paulo, na época, instituiu o dia 15 de agosto como o Dia da Gestante, de acordo com a Lei 10822/01. De lá pra cá, cidades e estados foram aderindo, aos poucos, a essa proposta de dedicar um dia inteiro para discutir a saúde das futuras mamães. 

Entre os muitos temas, dentro do ciclo de interesses da gestantes, está um que é pouco esclarecido: a ingestão do ácido fólico.

Com o objetivo de reduzir em até 85% a incidência de malformação do tubo neural (estrutura embrionária que dá origem ao cérebro e à medula espinhal), a Federação Brasileira de Associação de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) colocou a disposição da população, há muito tempo - apesar da pouca procura, uma cartilha com recomendações para a prevenção do problema.

A ideia é incentivar que mulheres em idade fértil, com vida sexual ativa e que não utilizam nenhum método contraceptivo passem a tomar 400 microgramas de ácido fólico diariamente por pelo menos 30 dias antes da concepção e até o final do terceiro mês de gestação.
De acordo com a Comissão Especializada em Medicina Fetal da Febrasgo, de 50% a 60% das mulheres no Brasil engravidam sem planejar e apenas cerca de 10% a 15% utilizam o ácido fólico antes de descobrirem que estão grávidas. 

O dado é preocupante, já que a formação e o fechamento do tubo neural acontecem entre o 17.º e o 30.º dia após a concepção, geralmente antes do diagnóstico clínico ou laboratorial da gestação. “Para todas as gestantes preconizamos uma dose diária de 400 microgramas de ácido fólico e apenas para gestantes de alto risco a dose deve ser 10 vezes maior”, explica o site da Febrasgo.

A quantidade indicada pela Organização Mundial da Saúde e defendida pelos médicos é de 0,4 miligrama por dia de ácido fólico para a prevenção de ocorrência dos defeitos do tubo neural. 

O ácido fólico previne outras alterações também como doenças do coração, do trato urinário e fissura lábio-palatina. Para a mamãe, a vitamina traz benefícios como prevenir doenças cardíacas, certos tipos de câncer e anemia.



Alimentos Fortificados

Ácido fólico é encontrado em alimentos fortificados. Quando você vê grãos “enriquecidos”, isso indica que acido fólico foi adicionado. Alimentos enriquecidos incluem aveia instantânea, arroz, pão, macarrão, aveia grossa, pretzels e itens com farinha de trigo enriquecida, tais como tortilhas de trigo, biscoitos doces e de água e sal. Cereais são uma excelente opção para trazer ácido fólico para a sua dieta. Cereais para o café da manhã possuem de 100 a 400 microgramas de ácido fólico por porcão. Verifique sempre o rótulo nutricional para saber se o alimento possui ácido fólico. A maioria dos alimentos importados não o tem.

Alimentos Naturais que Possuem Folato

A forma natural de folato não é absorvida pelo corpo com a mesma facilidade que a forma sintética, o ácido fólico. Alimentos ricos em folato possuem uma composição única que fornece ao corpo melhores fontes de vitaminas, minerais e muita fibra. Esses alimentos são também de baixo teor de gordura e sódio, e não têm colesterol. Alimentos ricos em folato incluem espinafre, couve, folhas de mostarda, brócoli, folhas de nabo, amendoim, feijão fradinho, feijão preto, feijão branco, feijão vermelho e feijão carioca. Outros alimentos que fazem bem ao corpo que possuem folato são abacates, aspargos, suco de laranja, laranjas e morangos.
Solimar Siqueira

Fontes: Guia do bebê e Febrasgo

terça-feira, agosto 06, 2019

Aumenta nível de alerta para sarampo no País


O Ministério da Saúde deu o primeiro passo para a decretação de emergência em saúde pública por sarampo. Diante do avanço de registros em São Paulo e da notificação de casos em outros sete Estados do País, o Ministério da Saúde colocou em operação o Comitê Operativo de Emergência em Saúde (COE). O grupo, com representantes de vigilância, vacinação, atendimento hospitalar, atenção básica e assistência farmacêutica, é encarregado de fazer um acompanhamento diário da evolução da epidemia. Antes dessa medida, o monitoramento da pasta era semanal.
Até a semana passada, haviam sido confirmados no País 646 casos de sarampo, em oito Estados. A maior preocupação está em São Paulo, que concentra registros. Mas há também a constatação de que infecções se espalham por regiões turísticas, como Parati, no Rio, que já confirmou dez casos, e a cidade baiana de Porto Seguro, que notificou um caso suspeito.
O COE aumenta o alerta e se reduz a distância para que o País decrete estado de emergência. A instalação do grupo ocorre quatro meses depois de o Brasil perder o certificado de país livre do sarampo, dado em 2016.
Dois fatores exerceram grande influência: o fato de o sarampo ser altamente contagioso e os níveis de cobertura vacinal se reduzirem. Os números da epidemia mostram que a maior parte dos casos confirmados está na população entre 1 e 5 anos e também entre jovens, que, se vacinados, estariam protegidos contra a doença.
Ao jornal O Estado de S. Paulo, o secretário de Vigilância do Ministério da Saúde, Wanderson Kleber de Oliveira, descartou a possibilidade da decretação imediata de emergência em saúde pública. "A avaliação de risco é feita diariamente, mas desde janeiro temos intensificado as ações contra o sarampo", disse. Rejane Calixto, coordenadora em Saúde de São Paulo, também afirmou não haver uma decisão tomada. Ela veio a Brasília para uma reunião com o Ministério da Saúde.

Kleber de Oliveira afirmou que um dos pontos desfavoráveis para a decretação de emergência seria a corrida aos postos. "Isso poderia drenar a capacidade de trabalho e de recursos, com o desperdício de imunizantes." A decretação de emergência em saúde pública obedece a uma série de quesitos, como o risco de disseminação nacional, a gravidade elevada da doença, a reintrodução de doença erradicada e agentes infecciosos inesperados.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Falta de sono: impactos no seu cérebro

A falta de sono afeta o cérebro de múltiplas formas, e pode comprometer o discernimento, reduzir o tempo de reação e aumentar as chances de “sonhar acordado” durante tarefas monótonas.
“Quando você dorme pouco, seu cérebro volta a ser o de um adolescente. É pura energia e nenhum freio”, compara Michael Howell, neurologista da Universidade de Minnesota, Twin Cities. “De repente, a parte do cérebro que diz ‘é melhor refletir sobre isso’ não funciona direito”.
O objetivo do sono há muito tempo intriga os cientistas, explica Maiken Nedergaard, neurocientista do Centro Médico da Universidade de Rochester, em Nova York. Em termos evolutivos, permanecer inconsciente por horas a fio torna as pessoas e outros animais vulneráveis aos predadores. Ainda assim, não dormir o suficiente pode levar à demência e à morte. A privação crônica do sono pode causar obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e outros distúrbios.
Estudos demonstram que pessoas exaustas se saem pior em testes de memória e têm mais problemas de aprendizagem. Jogadores de basquete cansados, por exemplo, acertam menos arremessos. Até mesmo golfistas que dormem mal precisam de mais tacadas para concluir uma rodada.
“A falta de sono compromete quase tudo”, alerta Howell. No caso dos acidentes, a falta de sono afeta o funcionamento dos lobos frontais do cérebro, responsáveis pela avaliação executiva ou a capacidade de prestar atenção e tomar boas decisões.
Segundo Howell, exames comprovam que o fluxo sanguíneo diminui nas regiões frontais do cérebro e as ondas cerebrais se tornam mais lentas em pessoas exaustas.
Como resultado, a capacidade de reação é comprometida e as chances de cometer erros aumentam. Quando os lobos frontais não funcionam adequadamente, as pessoas também têm mais dificuldade de prestar atenção durante tarefas entediantes, como dirigir um carro em uma rodovia.
Por Emily Sohn


segunda-feira, agosto 05, 2019

Estudo diz que mulheres não são totalmente heterossexuais






Pesquisadores do Departamento de Psicologia da Universidade de Essex, na Inglaterra, divulgaram um estudo em que afirmam que as mulheres podem ser "bissexuais ou homossexuais, mas nunca heterossexuais" quando se trata da atração física.

Segundo o jornal Telegraph, o estudo liderado por Gerulf Rieger analisou as reações de 345 mulheres ao assistirem vídeos em que homens e mulheres apareciam nus. A análise levou em conta a dilatação das pupilas para identificar os estímulos sexuais. 

A experiência demonstrou que as participantes heterossexuais se sentiu atraídas por homens e mulheres, enquanto as declaradamente bissexuais ou homossexuais mostraram mais interesse por pessoas do mesmo sexo.

"Ainda que a maioria das mulheres declare ser heterossexual, o nosso estudo demonstra claramente que, no que diz respeito ao desejo sexual, ou são bissexuais ou homossexuais, mas nunca heterossexuais", afirmou Rieger.

O estudo ainda provou que não dá para concluir qual a preferência sexual de uma pessoa com base na forma como ela se veste. "Isso nos mostra que a forma como as mulheres aparecem em público não significa nada sobre suas preferências sexuais", explicou o pesquisador.

Fonte: Telegraph