Follow by Email

Informe Publicitário

domingo, fevereiro 26, 2017

Cervejas industriais ficaram 40% menos amargas nos últimos 20 anos, aponta estudo


As cervejas industrializadas ficaram 40% menos amargas, em média, nos últimos 20 anos. A mudança, implementada pelas grandes cervejarias para atender ao paladar da maior parcela dos consumidores está afetando a demanda mundial por lúpulo – planta da família canabinácea que há quase um milênio se consolidou como o principal agente de conservação e de amargor da bebida –, segundo o Relatório da Colheita Global, feito por um grupo de especialistas e publicado pela Associação de Cervejeiros dos Estados Unidos.

lúpulo
Há 20 anos as cervejas tinham, em média, 6,7 gramas de ácidos-alfa (substância responsável pelo sabor amargo, encontrada nas glândulas de resina da planta fêmea do lúpulo) (foto) por hectolitro, aponta o estudo assinado por Horst Dornbusch, Georg Drexler, Walter Konig, Rodrigo Vilches e Ian Ward. No ano passado, este volume havia caído para 4 gramas por hectolitro.

No mesmo intervalo de duas décadas, a produção mundial de cerveja cresceu quase 70%. Passou de 116,3 bilhões de litros para 196,4 bilhões de litros. Variados estudos estimam que pelo menos 90% correspondem às cervejas industriais classificadas internacionalmente como “lager americana padrão”, e vendidas no Brasil com a denominação “tipo Pilsen”.

— A imensa maioria dos estudos aponta grande rejeição da maior fatia do público mundial ao amargor, especialmente as mulheres, e o Brasil não é diferente. A partir de informações assim, a indústria busca atender ao público mais amplo possível. Aumentar o amargor seria favorecer a migração para as bebidas à base de vodka com sabores, como já vem ocorrendo nos públicos mais jovens — explica uma analista sênior de um instituto de pesquisa responsável por análises para a indústria cervejeira.

Excedente atenderia ao consumo mundial por mais de um ano

Plantação de lúpulo
A área plantada de lúpulo no mundo caiu de 56,7 mil hectares em 2009 para 46,9 mil hectares no ano passado, ou 17,2%. A diminuição é comum aos seis principais países produtores – Alemanha, Estados Unidos, República Tcheca, Polônia, Eslovênia e China –, que respondem por 91% total. Na produção, a redução seria de 11,8%. É o ponto mais baixo desde 2006, quando foram colhidas 85,6 mil toneladas.

A Alemanha é o maior produtor de lúpulo do mundo, concentrando 37,4% do total, o equivalente a 33,2 mil toneladas. Em seguida, vêm os Estados Unidos, com 27,5 mil toneladas (31%), e a China, com 10,1 mil toneladas (11,4%). Devido ao clima, o Brasil não produz lúpulo. Poucas espécies se adaptam ao calor intenso do país, e apenas algumas experiências de pequeno porte foram bem-sucedidas no Sul do país.

Os plantadores de lúpulo reagem tardiamente, segundo os pesquisadores, à redução da demanda por parte das megacervejarias multinacionais, como AB InBev, SAB Miller, Heineken e Carlsberg. Ainda assim, o consumo total corresponde a 80% do volume produzido. O estudo mostra um excedente acumulado de 10 mil toneladas de ácidos-alfa, enquanto o consumo anual é de cerca de 8 mil toneladas.

De acordo com dados da Convenção Internacional de Plantadores de Lúpulo (IHGC, na sigla em inglês), o quilo de ácido-alfa custou, em média, em 11 euros no mercado spot (de curto prazo), mas os preços flutuam muito nos contratos entre os fazendeiros e os compradores da indústria. A IHGC também reconheceu, em relatório no fim do ano passado, que a “exaustão desta superprodução certamente ainda vai demorar algum tempo”.

“Da forma como vemos, a área e a produção associada vão decrescer ainda mais por mais alguns anos e podem cair até abaixo da demanda de cada ano cervejeiro subsequente”, afirmaram os pesquisadores Heinz-Jürgen Cooberg e Peter Hintermeier, da associação alemã de produtores da matéria-prima, no documento.


O Globo



Especialistas em sono dão nove dicas para conseguir acordar mais cedo e com disposição




Pular da cama ou dormir mais um pouco? Para muita gente, o dilema é diário. Para o nosso corpo, muitas vezes a segunda opção é a escolhida, mesmo quando nosso cérebro sabe que temos que acordar cedo para trabalhar ou cumprir outras atividades. E quando finalmente o despertador é escutado, muitas pessoas começam o dia sem disposição, só pegando no tranco no fim da manhã ou começo da tarde.

Na maioria das vezes, a dificuldade para acordar bem disposto tem um grande culpado: a privação de sono. "Antes, no começo do século XX, dormíamos cerca de nove horas por noite, hoje a média é menor do que sete horas", compara o pneumologista Geraldo Lorenzi Filho, coordenador da Residência Médica em Medicina do Sono do Incor e médico do Laboratório do Sono do Hospital Santa Cruz, em São Paulo.

Mas é claro que outros fatores também podem influenciar nisso. "Também existem aspectos genéticos, pessoas que têm tendência a acordar e dormir muito tarde ou muito cedo. Só que essa é uma porcentagem muito pequena da população", frisa a pneumologista Sonia Togerio, pesquisadora do Instituto do Sono, da Unifesp, em São Paulo.

De qualquer forma, acordar com dívidas na conta de sono pode ser prejudicial ao rendimento e à saúde. "Isso causa problemas de memória, humor, falta de atenção e, é claro, sonolência", ensina Sônia. Por isso pedimos aos especialistas algumas dicas para tornar essa tarefa muito mais fácil.

A seguir, você confere as estratégias para conseguir acordar mais cedo e com o pique em alta.

Tenha horários constantes

O corpo pode não ser exato, mas ele é regido por um ciclo chamado circadiano, expressão que significa "cerca de um dia". Isso porque o organismo organiza suas funções para que ocorram sempre em 24 horas mais ou menos, obedecendo a duração do dia. Esse é o tal do relógio biológico. Manter uma hora certa para dormir e acordar ajuda a regular um pouco mais esse nosso cronograma interno. "Ficar mexendo no nosso ciclo circadiano o desregula. Ao dormir mais tarde, você atrasa o relógio e volta a não conseguir acordar cedo", esclarece o médico do sono Geraldo Lorenzi. É claro que não é preciso exagerar e ser sempre pontual, mas manter uma rotina faz parte da higiene do sono e ensina o corpo a ter uma frequência.

Use e abuse da luz

 Um dos reguladores do ciclo circadiano é a luz, já que o corpo tem funções diferentes à noite e durante o dia. Portanto, o sol é um excelente indicador para o corpo que está na hora de acordar. "Abrir a janela de manhã como as avós ou seus pais faziam é uma excelente maneira de dizer para o organismo que já é dia", pontua o médico do sono Lorenzi. E em dias nublados, mesmo a luz artificial pode ter esse efeito. "Depende, é claro, de sua intensidade", reitera a pneumologista Sônia Togerio. Em vez de dormir com cortinas ou persianas, que bloqueiam totalmente a passagem da luz matutina, experimente deixar a janela do quarto liberada para a entrada do Sol antes mesmo de ir para a cama.

Relaxe antes de dormir

As vovós também viviam dizendo aos netos para pararem um pouco de brincar na hora de dormir. E, mais uma vez, elas estavam certas! "O mais indicado é não fazer atividades estimulantes, principalmente no caso dos adultos. Trabalhar, por exemplo, excita a mente, ainda mais ficar pensando no que precisa ser feito no dia seguinte", argumenta a pneumologista Sônia. Ver televisão, navegar na internet, jogar videogame, tudo isso entra na lista de proibições. Mas não precisa parar de cumprir tudo isso assim que o sol se por. Basta separar uma hora para relaxar e ficar longe de tudo isso quando estiver próximo de dormir. Nessas horas, um livro ou uma música relaxante são ótimas pedidas. 

Não fique enrolando na cama

"Cama é um lugar para dormir e fazer sexo, mais nada!", sublinha o médico do sono Lorenzi. No máximo, fazer uma leitura, que é algo relaxante. Portanto, ao enrolar na cama, você tira a sensação que lá é um local de sono, o que pode dificultar a chegada do sono à noite. Seu organismo deve reconhecer que a cama é um local de repouso e relaxamento, portanto praticar atividades estimulantes como assistir televisão ou jogar videogame na cama também não são recomendadas. "Para quem tem insônia, por exemplo, ficar muito tempo na cama gera mais ansiedade", lembra a pneumologista Sônia. A melhor forma de dizer para seu corpo que está na hora de acordar, é levantar logo, sem enrolações. Existem despertadores programados inclusive para que a pessoa seja obrigada a levantar, como o que solta três peças de quebra cabeça e só para de tocar quando todas são colocadas de volta ao lugar.

Resista ao botão soneca

Você pode achar que está enganando o despertador, mas é o seu corpo que é feito de bobo ao apertar o botão "soneca" do relógio. "Pode fazer mal, porque se tem um sono fracionado, que é de segunda qualidade, e acaba-se dizendo ao corpo que ele pode dormir assim, o que não é certo", ensina Lorenzi. O ideal é acordar assim que o despertador toca, e não ficar barganhando mais uns minutinhos. 

Tome cuidado com a atividade física

A atividade faz muito bem à saúde, e quando feita logo cedo, colabora para a disposição. "O nosso ciclo cicardiano está muito relacionado à temperatura do corpo, quando ele está frio, temos sono. A atividade física eleva o calor corporal, ajudando a despertar melhor", explica Lorenzi. Por outro lado, fazer exercícios muito perto da hora de dormir tem o mesmo efeito, atrapalhando o sono. "O indicado é sempre fazer exercício três horas antes de dormir", ensina Sônia.

Mantenha o olho vivo no cardápio

Os alimentos também influenciam no sono e sábio foi quem percebeu que o café ajuda a espantar a sonolência. A bebida é rica em cafeína, substância que é estimulante. "Alguns alimentos fontes desse micronutriente devem ser evitados à noite, como café, chá preto, chá verde e chocolate, que são estimulantes", considera Lorenzi. Mas você pode consumi-los pela manhã, a cafeína melhora a memória, por exemplo. Só que o efeito pode não ser imediato. Um estudo feito no Instituto Federal Suíço de Tecnologia, em Zurique, verificou que pessoas que consumiam bebidas com o micronutriente tinham mais atenção e eficiência logo após a ingestão, além de um aumento no metabolismo. Além disso, pesquisas indicam que proteínas pela manhã podem aumentar características como atenção e memória logo cedo. 

Dê mais atenção ao seu corpo

As pessoas têm uma determinação genética também sobre seus horários de dormir e acordar, são os cronotipos, que dividem as pessoas entre matutinos e vespertinos, além dos intermediários. Os primeiros tem uma tendência maior a dormir e acordar cedo, enquanto os últimos despertam e se deitam mais tarde. "A maior parte das pessoas é flexível, pode se habituar a acordar cedo", ensina Lorenzi. Mas saber qual é sua tendência com certeza ajuda a conhecer melhor o próprio corpo. A dica do especialista é aproveitar as férias ou qualquer período sem obrigações de horários e perceber a que horas, sem a privação de sono, o corpo sente necessidade de dormir e acordar, e assim observar como o organismo se comporta. Ou faça o teste e descubra em qual período do dia a sua disposição é maior.

Além disso, existem os curto e longo dormidores, que precisam de menos ou mais tempo para dormir respectivamente. "Isso é muito individual, e pode variar também com a idade", salienta Sônia. Mas, muitas vezes, a dificuldade em acordar cedo está justamente no fato da pessoa precisar dormir um pouco mais que a média. Nesses casos, oito horas não são suficientes e o saldo de sono sempre fica negativo.  


Fonte: Minha Vida - Saúde, Alimentação e Bem-Estar



Sexo anal: especialistas tiram dúvidas sobre a prática sexual


Sexo anal causa hemorroidas? Sexo anal engravida? Qual o risco de contrair o vírus HIV? Essas e outras questões estão entre as maiores dúvidas de quem já pratica ou pensa em praticar a relação anal. Além dessas, também entram os cuidados com a higiene, há também o risco de doenças, a maneira adequada de fazê-lo e os mitos que rondam essa prática. Pensando nisso, conversamos com especialistas e tiramos as principais dúvidas sobre o sexo anal para que possa ser praticado com saúde. Confira: 

O sexo anal vai sempre doer?

Sexo anal aumenta o risco de transmissão da Aids, por isso a importância da camisinha
Não deveria. Se ocorrer dor em todas as relações, é sinal de que algo está errado. A especialista afirma que tomar certos cuidados evita a dor, como o uso de lubrificantes e estar com o corpo relaxado, sem tensões. "O casal deve estar em sintonia e confortável com a situação, garantindo o prazer do ato para as duas partes", afirma a ginecologista Sueli Raposo, do Laboratório Exame, em Brasília. "No caso das mulheres, a relação anal tende a ser mais dolorosa porque a região não tem a mesma elasticidade da vagina".

É necessário usar lubrificante?

Sim, pois a região anal não tem lubrificação própria. "O ideal é usar lubrificantes específicos para a prática, preferindo os mais neutros", aconselha a ginecologista Sueli. "Evite uso de produtos com anestésicos que prometem tirar a dor, pois anestesiando o local o risco de traumas é maior, já que a sensação de incômodo será diminuída no momento da prática." Os lubrificantes a base de água são os mais recomendados, pois não aumentam o risco de reações alérgicas. 

É normal ocorrer sangramento durante a relação anal?

A chance de gravidez é nula no sexo anal, pois o intestino não tem nenhuma comunicação com os órgãos reprodutores femininos
"Pode ocorrer sangramento quando houver algum trauma que ocasione fissuras ou microfissuras", afirma Sueli Raposo. Se ocorrerem sangramentos em todas as relações ou na maioria das relações, é importante procurar um especialista. Para evitar esse transtorno, é fundamental o uso de lubrificantes próprios para esse tipo de relação. 

O risco de contrair o vírus HIV é maior?

Sim. O sexo anal é considerado como um dos modos mais frequentes de se contrair o vírus HIV, causador da Aids. "O líquido seminal de uma pessoa soropositivo carrega grande quantidade de carga viral (HIV), e durante o ato podem ocorrer microfissuras na região do ânus e reto, facilitando a contaminação", diz o urologista Augusto Cunha Campos Gonçalves, diretor-presidente do Hospital Belo Horizonte. Além disso, na relação anal é possível contrair qualquer tipo de DST, como HPV, gonorreia, clamídia, herpes e hepatite C. "Por isso, mesmo na relação anal o mais importante é usar camisinha", completa a ginecologista Sueli. 

O sexo anal provoca hemorroidas?

A relação anal violenta ou sem lubrificação adequada pode causar lesões na região anorretal, mas não provoca hemorroida. "No entanto, se o sexo anal for praticado por pessoas que já tem hemorroidas, esse quadro poderá se agravar", afirma o ginecologista José Carlos Riechelmann, presidente do Comitê Multidisciplinar de Sexualidade Humana da Associação Paulista de Medicina. Hemorroidas são veias inchadas e dolorosas na parte inferior do reto ou do ânus. Elas resultam do aumento da pressão nas veias do ânus. A pressão faz com que as veias inchem, tornando-as doloridas, especialmente quando a pessoa está sentada. Entre as principais causas de hemorroidas estão o esforço excessivo durante a evacuação, constipação, permanecer sentado por longos períodos e infecções anais. 

O orgasmo com sexo anal é igual ao com sexo vaginal?

Orgasmo com sexo anal depende de fatores como lubrificação e conforto
Isso vai depender de uma série de fatores. "Em geral, a pessoa que está penetrando vai sentir mais prazer, pois o canal anal é mais estreito", explica a ginecologista Sueli. "Mas tudo vai depender da lubrificação da região anal, das preliminares, do grau de excitação da pessoa que está sendo penetrada, da sintonia do casal para aprimorar a prática sexual, tudo isso pode fazer a mulher sentir tanto prazer quanto uma relação vaginal". 

A higiene é necessária antes e depois do sexo anal?

Sim, os cuidados com a higiene e o uso de camisinha evitam que as bactérias normais no intestino entrem em contato com a uretra, provocando infecções uretrais ou urinárias. Os riscos de uma relação sem higiene adequada envolvem desde contaminações bacterianas até a transmissão de doenças, como as hepatites A e B, já que a transmissão é facilitada por conta das microfissuras que podem ocorrer no ânus durante o ato. "É importante lembrar que nunca se deve ter uma relação anal e em seguida a vaginal, não sem antes trocar o preservativo e limpar bem a região para evitar contaminação", alerta a ginecologista Sueli. Entre os cuidados com a higiene estão evacuar antes da relação, evitando que as fezes surjam durante a prática; higienizar bem o local com água e sabonete antes e após o sexo anal; a pessoa que penetrou deve urinar após a transa, para limpar a uretra, e lavar o pênis. 

A mulher corre o risco de engravidar?

Caso haja problemas como sangramentos ou infecções, procure um médico
Não. A penetração no sexo anal vai abranger parte do canal anal e do reto (a porção final do intestino), que são duas regiões que fazem ligação com o intestino grosso (cólon) no corpo humano. No caso do sexo vaginal, a penetração ocorre pela vagina que é o canal diretamente ligado aos órgãos reprodutores femininos, como útero, trompas de falópio e ovários - local onde o pênis deposita os espermatozoides na relação sexual. "A chance de gravidez é nula no sexo anal, pois o intestino não tem nenhuma comunicação com os órgãos reprodutores femininos, que é onde ocorre a fecundação do óvulo e espermatozoide", diz a ginecologista Sueli. 

O sexo anal possui alguma contraindicação?

Pessoas que possuem hemorroidas em estágio de inflamação ou estão com fissuras na região anal devem evitar esse tipo de relação. "Além disso, ambos os parceiros devem estar à vontade com a situação, diminuindo a chance de problemas", afirma Sueli Raposo. 

A relação anal pode fazer mal se for feita com frequência?

"Não, desde que a higiene e os outros cuidados, como a lubrificação, estejam sendo feitos de forma adequada", explica o urologista José Carlos Riechelmann. 

Quais sinais indicam que a região anorretal está com problemas?

Se a pessoa estiver sofrendo com dores e sangramentos persistentes por mais de dois dias é importante procurar um médico, pois pode haver uma fissura mais grave. Os sintomas podem acontecer após a evacuação ou então de forma mais constante - em todos os casos, é necessário procurar ajuda de um especialista. 
Fonte: Minha Vida

Dez fatos curiosos sobre os Estados Unidos



1. Maior população prisional do mundo / / /
Elevando-se desde os anos 80, a surreal taxa de encarceramento dos EUA é um negócio e um instrumento de controle social: à medida que o negócio das prisões privadas alastra-se como uma gangrena, uma nova categoria de milionários consolida seu poder político. Os donos destas carcerárias são também, na prática, donos de escravos, que trabalham nas fábricas do interior das prisões por salários inferiores a 50 cents por hora. Este trabalho escravo é tão competitivo, que muitos municípios hoje sobrevivem financeiramente graças às suas próprias prisões, aprovando simultaneamente leis que vulgarizam sentenças de até 15 anos de prisão por crimes menores como roubar chicletes. O alvo destas leis draconianas são os mais pobres, mas, sobretudo, os negros, que representando apenas 13% da população norte-americana, compõem 40% da população prisional do país.
2. 22% das crianças americanas vive abaixo do limiar da pobreza.
Calcula-se que cerca de 16 milhões de crianças norte-americanas vivam sem “segurança alimentar”, ou seja, em famílias sem capacidade econômica para satisfazer os requisitos nutricionais mínimos de uma dieta saudável. As estatísticas provam que estas crianças têm piores resultados escolares, aceitam piores empregos, não vão à universidade e têm uma maior probabilidade de, quando adultos, serem presos.
3. Entre 1890 e 2012, os EUA invadiram ou bombardearam 149 países.
O número de países nos quais os EUA intervieram militarmente é maior do que aqueles em que ainda não o fizeram. Números conservadores apontam para mais de oito milhões de mortes causadas pelo país só no século XX. Por trás desta lista, escondem-se centenas de outras operações secretas, golpes de Estado e patrocínio de ditadores e grupos terroristas. Segundo Obama, recipiente do Nobel da Paz, os EUA conduzem neste momente mais de 70 operações militares secretas em vários países do mundo. O mesmo presidente criou o maior orçamento militar norte-americano desde a Segunda Guerra Mundial, superando de longe George W. Bush.
4. Os EUA são o único país da OCDE que não oferece qualquer tipo de subsídio de maternidade.
Embora estes números variem de acordo com o Estado e dependam dos contratos redigidos por cada empresa, é prática corrente que as mulheres norte-americanas não tenham direito a nenhum dia pago antes ou depois de dar à luz. Em muitos casos, não existe sequer a possibilidade de tirar baixa sem vencimento. Quase todos os países do mundo oferecem entre 12 e 50 semanas pagas em licença maternidade. Neste aspecto, os Estados Unidos fazem companhia à Papua Nova Guiné e à Suazilândia.

5. 125 norte-americanos morrem todos os dias por não poderem pagar qualquer tipo de plano de saúde.
Se não tiver seguro de saúde (como 50 milhões de norte-americanos não têm), então há boas razões para temes ainda mais a ambulância e os cuidados de saúde que o governo presta. Viagens de ambulância custam em média o equivalente a 1300 reais e a estadia num hospital público mais de 500 reais por noite. Para a maioria das operações cirúrgicas (que chegam à casa das dezenas de milhar), é bom que possa pagar um seguro de saúde privado. Caso contrário, a América é a terra das oportunidades e, como o nome indica, terá a oportunidade de se endividar e também a oportunidade de ficar em casa, torcendo para não morrer.
6. Os EUA foram fundados sobre o genocídio de 10 milhões de nativos. Só entre 1940 e 1980, 40% de todas as mulheres em reservas índias foram esterilizadas contra sua vontade pelo governo norte-americano.
Esqueçam a história do Dia de Ação de Graças com índios e colonos partilhando placidamente o mesmo peru em torno da mesma mesa. A História dos Estados Unidos começa no programa de erradicação dos índios. Tendo em conta as restrições atuais à imigração ilegal, ninguém diria que os fundadores deste país foram eles mesmos imigrantes ilegais, que vieram sem o consentimento dos que já viviam na América. Durante dois séculos, os índios foram perseguidos e assassinados, despojados de tudo e empurrados para minúsculas reservas de terras inférteis, em lixeiras nucleares e sobre solos contaminados. Em pleno século XX, os EUA iniciaram um plano de esterilização forçada de mulheres índias, pedindo-lhes para colocar uma cruz num formulário escrito em idioma que não compreendiam, ameaçando-as com o corte de subsídios caso não consentissem ou, simplesmente, recusando-lhes acesso a maternidades e hospitais. Mas que ninguém se espante, os EUA foram o primeiro país do mundo oficializar esterilizações forçadas como parte de um programa de eugenia, inicialmente contra pessoas portadoras de deficiência e, mais tarde, contra negros e índios.
7. Todos os imigrantes são obrigados a jurar não ser comunistas para poder viver nos EUA.
Além de ter que jurar não ser um agente secreto nem um criminoso de guerra nazi, vão lhe perguntar se é, ou alguma vez foi membro do Partido Comunista, se tem simpatias anarquista ou se defende intelectualmente alguma organização considerada terrorista. Se responder que sim a qualquer destas perguntas, será automaticamente negado o direito de viver e trabalhar nos EUA por “prova de fraco carácter moral”.
8. O preço médio de uma licenciatura numa universidade pública é 80 mil dólares.
O ensino superior é uma autêntica mina de ouro para os banqueiros. Virtualmente, todos os estudantes têm dívidas astronômicas, que, acrescidas de juros, levarão, em média, 15 anos para pagar. Durante esse período, os alunos tornam-se servos dos bancos e das suas dívidas, sendo muitas vezes forçados a contrair novos empréstimos para pagar os antigos e assim sobreviver. O sistema de servidão completa-se com a liberdade dos bancos de vender e comprar as dívidas dos alunos a seu bel prazer, sem o consentimento ou sequer o conhecimento do devedor. Num dia, deve-se dinheiro a um banco com uma taxa de juros e, no dia seguinte, pode-se dever dinheiro a um banco diferente com nova e mais elevada taxa de juro. Entre 1999 e 2012, a dívida total dos estudantes norte-americanos cresceu à marca dos 1,5 trilhões de dólares, elevando-se assustadores 500%.
9. Os EUA são o país do mundo com mais armas: para cada dez norte-americanos, há nove armas de fogo.
Não é de se espantar que os EUA levem o primeiro lugar na lista dos países com a maior coleção de armas. O que surpreende é a comparação com outras partes do mundo: no restante do planeta, há uma arma para cada dez pessoas. Nos Estados Unidos, nove para cada dez. Nos EUA podemos encontrar 5% de todas as pessoas do mundo e 30% de todas as armas, algo em torno de 275 milhões. Esta estatística tende a se elevar, já que os norte-americanos compram mais de metade de todas as armas fabricadas no mundo.
10. Há mais norte-americanos que acreditam no Diabo do que os que acreditam em Darwin.
A maioria dos norte-americanos são céticos. Pelo menos no que toca à teoria da evolução, já que apenas 40% dos norte-americanos acreditam nela. Já a existência de Satanás e do inferno soa perfeitamente plausível a mais de 60% dos norte-americanos. Esta radicalidade religiosa explica as “conversas diárias” do ex-presidente Bush com Deus e mesmo os comentários do ex-pré-candidato republicano Rick Santorum, que acusou acadêmicos norte-americanos de serem controlados por Satã.

Pêlos nos mamilos: qual a melhor técnica para acabar com eles?





Sabe aqueles pelos indesejáveis que aparecem nos mamilos das mulheres? Pois é, apesar de comum, devido a questões genéticas, não o que podemos chamar de ‘super feminino’. Além de mexer com a autoestima, sempre fica a dúvida de qual o método ideal para acabar com eles. Cera, laser, pinça ou lâmina? Na hora de escolher a técnica de depilação, todo o cuidado é pouco para não transformar um pequeno incomodo em um problemão.



Uma das áreas mais sensíveis do corpo pede técnicas específicas para a remoção dos pelinhos indiscretos. A primeira regra é jamais usar lâmina. “A depilação precisa ser delicada e este método pode provocar cortes e infecções. Além disso, a intenção é reduzir a quantidade de pelos ou retardar o crescimento e a lâmina não é a melhor alternativa, já que não arranca da raiz”, explica a esteticista Sabrina Braga, que iniciou a carreira como depiladora.

O laser é uma boa opção para acabar com os pelos nesta região. Trata-se daquele feixe de luz absorvido pelo pigmento do pelo, que neutraliza a raiz e impede o crescimento. “Lembrando que é dolorido, porém, traz resultados mais rápidos. O problema é que não é eficaz em pelos muito finos ou claros”, destaca a profissional, ao comentar que são recomendadas até três sessões, com intervalos de um mês.

A segunda técnica é interessante por ser indolor: a depilação dermofotônica. “Apesar de o processo ser longo, nesta área do corpo, costumamos concluir mais rápido por ter menos pelos, como o buço.” Como a área é pequena, o investimento também é menor, mas é fundamental a avaliação de um especialista para definir quantas sessões são necessárias – o intervalo entre elas é de 48 horas.

Na busca de uma saída barata e imediata, muitas mulheres adotam soluções caseiras: pinçar ou simplesmente descolorir. “As duas opções podem funcionar se os pelos forem fininhos e poucos”, garante a esteticista. Uma dica para quem pensa em encarar a pinça é fazer a remoção logo após o banho morno, quando os poros estão abertos e facilitam a depilação. Outra recomendação é deixar uma toalha úmida com água morna no seio por alguns minutos para minimizar a dor e facilitar o processo.

Mas se a imagem de uma pinça arrancando pelinho por pelinho causa pavor, especialistas indicam outros métodos. “Pode ser com cera quente ou fria, desde que administrada por um ótimo profissional. Estamos falando de uma região mega sensível e usar esses produtos em casa pode provocar queimaduras. Sem contar que há o ângulo correto de puxar o pelo”, pondera Sabrina.

A recomendação final é passar longe dos depiladores elétricos. “Eles são ótimos para outras partes do corpo, mas é agressivo por conta do sistema de pinças giratórias e rápidas. Pode machucar, e muito”, adverte.

Fonte: Tudo Sobre Depilação

Sorrir faz bem; piadas do gato

Mega-Sena volta a acumular e prêmio pode chegar a R$ 35 mi; confira as dezenas



Neste sábado (25-02-17), ninguém conseguiu acertar todas as dezenas sorteadas pelo concurso 1.907 da Mega-Sena.
Diante disso, o prêmio acumulou e a Caixa Econômica Federal poderá pagar R$ 35 milhões em sua próxima edição, marcada para a quarta-feira (1º-03-17).
As dezenas que saíram foram: 03 - 25 - 35 - 38 - 44 -48.

No concurso, 55 apostadores ganharam a Quina e vão receber, cada um, o valor de R$ 42.855,91. 

Na quadra, a Caixa registrou um total de 4.353 ganhadores. Cada um receberá R$ 773,54.

Click aqui para ler  notícias da primeira página 

“Ainda estou meio perdido”, diz Bernardinho sobre saída da seleção de vôlei


O bicampeão olímpico Bernardinho disse que ainda está “um pouco perdido” desde que anunciou sua saída do cargo de treinador da seleção masculina de vôlei. Ele despediu-se da função após comandar o time nacional nos Jogos Olímpicos do Rio-2016 na conquista do terceiro ouro olímpico da história da modalidade no país entre os homens.
Atualmente, comanda o Rio de Janeiro, time que disputa a Superliga feminina. Em entrevista à repórter Maíra Nunes, do Correio Braziliense, revelou que já recebeu diversas propostas desde que largou a seleção. Mas não tem um destino certo.

“Confesso que estou ainda um pouco perdido. É sofrido para mim. Todas as pessoas que eu encontro na rua me agradecem, mas dizem que estão chateadas pela minha saída. É uma espécie de luto, mas faz parte”.

“Eu estou em um momento diferente. Quanto ao meu futuro, a gente tem um time [o Rio de Janeiro, que disputa a Superliga feminina] para cuidar e um projeto para continuar. Também quero continuar estudando, aprendendo e inspirando pessoas. Eu tive alguns convites de fora com a notícia da minha saída da Seleção, muito sedutores financeiramente, mas que não me interessam. Não vou deixar uma grande equipe como é a Seleção Brasileira para treinar um outro grande time na Europa. Que sentido tem? Se fosse assim, continuaria na Seleção. Só a possibilidade de treinar um time universitário nos Estados Unidos me interessou mais, porque teria a questão de juntar educação, área acadêmica e esporte. Pelas meninas, filhas, poderia ser uma oportunidade interessante também.

Correio Braziliense

Click aqui para ler  notícias da primeira página 

Conecta Cuiabá permite 1,7 mil conexões simultâneas na Orla do Porto


O projeto piloto do serviço Conecta Cuiabá, que oferece gratuitamente o sinal de WiFi, lançado no dia 22 na Orla do Porto, conta com 14 pontos de acesso espalhados ao longo da Orla, instalados nos postes de iluminação. Cada ponto suporta 128 acessos simultâneos, possibilitando que 1.792 pessoas estejam conectadas ao mesmo tempo.

Desde o início dos testes de sinal, no dia 17 de fevereiro, até as 15h00 desta sexta (24) foram autenticados 875 acessos à rede sem fio. O pico aconteceu na data do lançamento do projeto pelo prefeito Emanuel Pinheiro, quando foram registradas 251 autenticações, com 203 novos cadastros. A grande maioria das autenticações (68%) foi realizada pelo Facebook. Outros 11% acessaram o serviço pelo Google+, 12% por e-mail e 8% por SMS.
O Conecta Cuiabá permite o acesso às redes sociais e aos sites governamentais, educacionais e de notícias. Neste momento não está liberada a transmissão de vídeos. O serviço suporta com segurança o acesso do público médio frequentador do local e também eventos de pequeno e médio porte. A Diretoria de Tecnologia de Informação (DTI) da Prefeitura de Cuiabá alerta que é possível ocorrer congestionamento em alguns períodos durante o carnaval, quando é esperado público superior a 20 mil pessoas nos dias de festejo.
Segundo o DTI Marcelo Barreto Souto, o projeto Conecta Cuiabá foi concebido dentro do conceito de Smart Cities ou Cidades Inteligentes, seguindo a orientação do prefeito Emanuel Pinheiro para que a gestão pública da capital trabalhe dentro dos princípios da humanização e da inclusão social.
Muito mais que um simples acesso gratuito à Internet, as Smart Cities fazem uso da tecnologia em seu processo de planejamento com a participação dos cidadãos. “Queremos utilizar a tecnologia como aliada da gestão pública para construirmos uma cidade mais confortável e mais eficiente para as pessoas que vivem aqui”, disse o prefeito, destacando que é a cidade que deve se adequar às pessoas e não o contrário.

As Smart Cities conseguem solucionar problemas urbanos nas mais distintas áreas, como mobilidade, segurança, saúde, moradia e também possibilitam uma maior interação entre o cidadão e o poder público, criando um modelo de governo colaborativo e permitindo que a população participe diretamente das decisões e da governança da cidade. 

Click aqui para ler  notícias da primeira página 

sábado, fevereiro 25, 2017

Abílio Junior pede criação de CPI da saúde em Cuiabá


Após visita em quatro unidades de saúde pública em Cuiabá, o vereador Abílio Junior (PSC) pediu, durante sessão plenária, na Câmara Municipal de Vereadores, que fosse criada uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o cumprimento de escala por parte das equipes médicas, bem como a estrutura física e logística desses locais e o atendimento dispensado aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).  

Em um dos locais visitados pelo vereador, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Morada do Ouro, foi constatado o descumprimento de horário de escola por parte de alguns médicos que, segundo ele, estavam no quarto de repouso, enquanto pacientes aguardavam impacientemente por atendimento.

Conforme a escala acessível no mural da UPA, deveriam estar em atendimento cinco médicos plantonistas entre o horário de 19h e 7h da manhã seguinte. Contudo, foi visto que, por volta de meia-noite, apenas um deles estava trabalhando, e que os outros quatro estariam na sala de repouso.

“É um absurdo isso, inadmissível. Uma unidade médica que poderia e deveria estar com cinco médicos atendendo a população, contar apenas com um deles. E, mesmo que haja o horário de repouso, onde está o bom senso desses profissionais, ao ver uma unidade cheia de pacientes e, mesmo assim, saírem praticamente todos para descansarem, ao mesmo tempo. Não podemos aceitar esse tipo de atitude numa área tão importante e carente como a da saúde pública”, disse Abílio Junior.

Diante do fato, que havia sido apontado por algumas das pessoas que aguardavam pelo atendimento médico, o parlamentar acionou a Polícia Militar, que esteve na unidade e acompanhou a vistoria, confirmando a ausência dos médicos.

Em virtude disso, o vereador registrou um boletim de ocorrência, registrando o fato, considerado por ele lastimável e carente de mudança imediata. 

Apesar dos apontamentos expostos pelo vereador, grande maioria dos demais parlamentares se posicionaram contra instaurar a CPI, sugerindo a apenas a presença do chefe da pasta explicações sobre o setor. 


Click aqui para ler  notícias da primeira página